Empresa de produtos farmacêuticos investe R$ 100 milhões em produção no DF

Inauguração de fábrica foi feita na manhã desta quarta-feira (8/11) com presença do ministro da Saúde, Ricardo Barros.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2017 11:45 / atualizado em 08/11/2017 11:59

Hamilton Ferrari/Esp. CB/DAPress
Apesar das incertezas políticas, alguns investimentos começam a sair do papel. No Distrito Federal, por exemplo, serão aplicados mais de R$ 100 milhões na expansão da empresa de farmacêuticos União Química, para a produção de medicamentos ausentes no mercado nacional. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, participou da cerimônia de abertura.


A Bthek Biotecnologia será uma fábrica dedicada ao desenvolvimento e produção de biofármacos, como medicamentos para tratamento das hepatites B e C, além de alguns tipos de leucemia. Ela fica localizada no Polo de Desenvolvimento JK, em Santa Maria. Segundo o presidente da União Química, Fernando de Castro Marques, a intenção é levar os produtos para o setor público e privado, além de exportá-los. Com a expansão da fábrica, foram contratados mais de 50 funcionários, sendo que 40 têm nível superior. 


“Acho que foi um passo muito importante nosso. Quando tomamos a decisão de construir uma unidade farmacêutica aqui em Brasília há 15 anos atrás, foi uma coisa que deu muito certo. Aqui em Brasília nós temos uma abundância de pessoas qualificadas que saem da universidade e têm local de trabalho aqui atendendo a nossa demanda", declarou Marques

 

Leia mais notícias de Economia


Segundo o Ministério da Saúde, a fábrica será uma opção de fornecedor nacional de medicamentos estratégicos para o Sistema Único de Saúde (SUS). O chefe da pasta declarou que os medicamentos que antes eram importados no comércio internacional poderão ser produzidos no país, dando acessibilidade ao consumidor. “A produção nacional nos viabiliza menor custo, geração de emprego e oportunidades, geração de riqueza no país, mas, especialmente, mais acesso à população”, apontou Barros.

A expectativa é de que os produtos possam ser vendidos no mercado brasileiro e internacional no segundo semestre de 2018. A fábrica tem capacidade para produzir até 8 milhões de ampolas ao ano.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.