Correio Debate mostra caminhos para pequenas e médias empresas exportarem

Apex promove discussão sobre a criação de horizontes propícios à expansão das vendas internacionais para empresas de menor porte, na próxima terça-feira

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/11/2017 06:00 / atualizado em 17/11/2017 09:28

Bruno Peres e Marcelo Ferreira/CB/D.A. Press

 

Persistência e previsibilidade são dois fatores indispensáveis para o sucesso na área de comércio exterior, ensina Lia Valls Pereira, professora da Fundação Getulio Vargas (FGV). “O mercado internacional não é uma coisa simples. Nem válvula de escape”, há fatores adversos de demanda, diz a professora, listando uma série de desafios e entraves para deslanche da conquista por maior espaço dos produtos brasileiros nas vendas lá fora.

 

Inscreva-se aqui, gratuitamente

 

 

Segundo Lia Valls, a demanda existe, mas a indústria brasileira tem perdido competitividade. “O problema é de o Brasil melhorar sua oferta exportável na área de manufaturados”, explica. Para a especialistas em comércio exterior, quem já está ou quer se estabelecer nessa área precisa ter “diretriz”. Não basta se aventurar sem ter planejamento cuidadoso e informações pertinentes. 

Lia Valls é uma das palestrantes do Correio Debate — Pequenas e Médias Empresas: o caminho para exportação. O seminário é patrocinado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportação e Investimentos (Apex) e colocará em pauta a criação de horizontes propícios à expansão das vendas externas, em especial das produções de pequenos negócios.

O foco será o segmento das empresas de menor porte, diante da prosperidade demonstrada na atividade exportadora, a despeito da recessão. No ano passado, as exportações do país cresceram 8,5% sobre 2015. O destaque foi o desempenho dos pequenos empresários, que registraram crescimento de 11% nas exportações de até US$ 1 milhão.

Segundo a Apex, é exatamente o pequeno empreendedor que desponta no desenvolvimento de soluções inovadoras, sem descuidar da questão da sustentabilidade. Por isso mesmo, suas mercadorias têm sido valorizadas por consumidores nos Estados Unidos e na Europa. E vem crescendo o universo de pequenos empresários que recebe capacitação e orientação para desenvolver estratégias consistentes de atuação internacional em ações da agência.

Programação

 

O Correio Debate será aberto pelo presidente da Apex Brasil, Roberto Jaguaribe, e encerrado pelo ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes. O primeiro painel detalhará o panorama do setor de exportação no país, com apresentações de José Augusto de Castro, da Associação Brasileira de Comércio Exterior; Abrão Árabe Neto, secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento (Mdic), e Marília Castañon, especialista em comércio exterior da GBI Consultoria Internacional.

Em seguida, os desafios para a venda externa de produtos e serviços de empresas de pequeno porte serão tratados pelo presidente do Sebrae, Guilherme Afif Domingos, Welber Barral, ex-secretário de Comércio Exterior do Mdic, e Lia Valls Pereira. O último painel apontará caminhos para mercados favoráveis, capacitação e crédito, com Paulo Guimarães, executivo de câmbio e comércio exterior do Banco do Brasil, Marcelo de Figueiredo Alves, chefe da Área de Exportações do BNDES, e Oto Barreto Silva, sócio da Engenho Sanhaçu.

 

Momento promissor

O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Abrão Miguel Árabe Neto, que participará do primeiro painel do Correio Debate — Pequenas e Médias Empresas: o caminho para exportação, afirmou que o número de empresas brasileiras exportadoras deve crescer em 2017, na esteira dos recordes da balança comercial.

 

No acumulado até meados deste mês, as exportações superaram as importações em cerca de US$ 60,3 bilhões. Com vendas externas somando US$ 189,7 bilhões e importações em US$ 129,4 bilhões. O valor está perto das projeções do Mdic, que espera um saldo comercial positivo entre US$ 65 bilhões e US$ 70 bilhões no ano, enquanto o mercado financeiro aposta em US$ 65 bilhões e o Banco Central, US$ 61 bilhões.

 

Árabe Neto lembrou que, no mesmo período do ano passado, o resultado da balança acumulou US$ 39,9 bilhões. E que a trajetória já ultrapassa o valor registrado em 2016, quando a balança comercial brasileira com outros países foi positiva de US$ 47,7 bilhões.

 

O Mdic aponta crescimento das exportações em todas as categorias de produtos: básicos, agrícolas, semimanufaturados e manufaturados. “Há um dinamismo claro”, avaliou ele, para quem as expectativas são bastante positivas. 

Saiba mais

Correio Debate — Pequenas e Médias Empresas: o caminho para exportação

Data: 21/11/2017
Horário: das 14h às 18h30
Local: Auditório do Correio Braziliense (SIG,Quadra 2, lote 340)

 

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.