Moeda do futuro: cotação do Bitcoin avança 1.000% em 12 meses

O bitcoin, criado no final de 2008, é a primeira moeda digital descentralizada do mundo. Uma de suas principais características é fugir dos padrões convencionais

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/12/2017 06:00 / atualizado em 30/11/2017 23:34

AFP / Justin TALLIS


São Paulo — No final da década de 1990, quando a internet ainda engatinhava, alguns bancos se aventuraram a lançar as primeiras iniciativas de uma instituição financeira totalmente virtual, como foi o caso do pioneiro Banco1.net, que funcionou de 1995 a 2004. Naquele tempo, apesar do apelo de modernidade, poucos consumidores se arriscavam a trocar a agência física pela virtual, acessada por computador. Vinte anos depois dessa iniciativa, uma geração que nasceu na era digital começa a transformar a forma como nos relacionamos com os bancos e o dinheiro.


A explosão do uso dos smartphones para quase tudo, inclusive o acesso à conta bancária, e a digitalização dos meios de pagamento desencadearam agora uma nova revolução: o uso de moedas eletrônicas, ou, para usar um termo atual, as criptomoedas. “Estamos em uma transição do tradicional modelo financeiro para a disseminação de dinheiro eletrônico, que já está transformando instituições não financeiras em emissoras de moedas digitais”, diz Omarson Costa, consultor especializado em tecnologia e inovação.

A mais famosa delas, o bitcoin, criado no final de 2008, é a primeira moeda digital descentralizada do mundo. Uma de suas principais características é fugir dos padrões convencionais. Ninguém a controla e a sua emissão e manutenção dependem de uma rede mundialmente distribuída de computadores, os chamados mineradores. Também é o primeiro sistema de pagamentos direto, o chamado peer-to-peer (ponto a ponto, de uma pessoa a outra), ou seja, não existem intermediários como no sistema tradicional (bancos, operadoras de cartão) para a realização de transações. Assim, as transferências são mais rápidas e mais baratas do que em outros meios convencionais de pagamento.

Leia as últimas notícias de Economia

O sistema é de código aberto (utiliza uma tecnologia chamada Blockchain) e o registro de todas as operações financeiras é público e acessível, assim como o código-fonte desse sistema. A segurança contra hackers e falsificações é garantida pela sua descentralização, seu código aberto e pelo uso de criptografia. Também foi programado para ser escasso, com uma quantidade máxima de 21 milhões de unidades. É como qualquer outro ativo, com seu preço variando de acordo com a demanda do mercado. Se a tendência de compra é maior, o preço vai subir.

Pizzas


Nas últimas semanas, a valorização do bitcoin explodiu depois que a CME Group, empresa americana dona da Bolsa de Chicago e que agrega as maiores bolsas de derivativos do mundo, confirmou que contratos futuros de bitcoin passarão a ser negociados a partir de dezembro, junto com contratos de câmbio, juros e commodities. A Nasdaq, outra gigante, mas voltada às empresas de tecnologia, informou que está estudando a utilização de bitcoin a partir de 2018.

Na história, poucas moedas, virtuais ou não, se valorizaram tanto num período tão curto. Nos últimos 12 meses, a cotação do bitcoin avançou impressionantes 1.000%, batendo na casa dos US$ 10 mil. No Brasil, o bitcoin chegou a ser comercializado a R$ 35 mil. Como o valor unitário é muito alto, a moeda pode ser comprada fracionada em até oito casas decimais, ou seja, qualquer pessoa pode comprar 0,00000001 bitcoin. “E pensar que a primeira transação realizada em bitcoin foi feita em Nova York no pagamento de duas pizzas ao preço de US$ 40, ou 10 mil bitcoins”, diz Marco Vieira, cofundador da Finchain, que controla a corretora FlowBTC, uma das cinco maiores corretoras de criptomoedas do país. A empresa opera desde o fim de 2014 e conta com mais 30 mil clientes.

É fácil comprar e vender bitcoins: basta a pessoa entrar no site de uma das 10 corretoras que operam no Brasil com criptomoedas, se cadastrar e começar a negociar a moeda como em uma corretora tradicional. “A experiência não tem segredo”, garante ele, que vê um mercado cada vez maior num futuro muito próximo.

Para Carlos André Montenegro, um dos fundadores da BitcoinTrade, as mudanças que estão sendo introduzidas pelas criptomoedas vão revolucionar a maneira como as pessoas lidam com dinheiro. “Falar em moeda digital hoje é o mesmo que falar em internet em 1997”, compara ele, lembrando que estamos apenas  no começo dessa revolução. Segundo o empresário, a grande vantagem do sistema digital de moedas é que as remessas de dinheiro são realizadas de forma descentralizada e sem intermediação de instituições financeiras ou governamentais.

No momento em que o varejo entrar nesse negócio para valer, dizem os especialistas, a verdadeira mudança virá. “Estamos só no começo. Ainda está faltando no Brasil uma espécie de portão de pagamentos automáticos que faça a intermediação entre o varejo e as corretoras”, afirma Montenegro. Atualmente, quando uma empresa recebe a moeda digital, ela precisa ter uma conta na corretora de criptomoedas, que recebe, faz a venda dos bitcoins e transfere o valor convertido ao varejista. Quando esses ajustes forem feitos, o bitcoin mudará a vida de milhões de pessoas no Brasil e no mundo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.