"Se reforma não for aprovada, haverá aumento de impostos", diz relator

Outra consequência da não aprovação, segundo Arthur Maia (PPS-BA), seria o fim do Bolsa Família. Deputado estima que governo tenha entre 290 e 310 votos para a aprovar a proposta

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/12/2017 15:43 / atualizado em 06/12/2017 22:07

Reprodução/TV Brasília

 
Em entrevista ao programa CB.Poder — uma parceria do Correio com a TV Brasília — nesta quarta-feira (6/12), o relator da reforma da Previdência na Câmara, deputado Arthur Maia (PPS-BA), disse que, caso a proposta de mudanças no fundo previdenciário não seja aprovada, o governo precisará aumentar impostos.
 
 
"Se a Previdência não for aprovada, vai ter que ter aumento de imposto. Outra consequência é uma diminuição dos programa sociais. O Bolsa Família, por exemplo, não poderá mais ser pago", afirmou o deputado.

Ainda na entrevista, Maia disse acreditar que o projeto será votado na Câmara ainda neste ano e estimou que o governo tenha entre 290 e 310 votos para aprovar a proposta (são necessários 302). O deputado também rechaçou a ideia de deixar de votar a favor da reforma por medo da rejeição nas eleições do próximo ano.
  
"É uma conta muito mesquinha. Penso que quem faz vida pública tem que encarar isso como uma ação com maior grandeza. Você não está aqui para ser deputado a vida toda. Mas enquanto estiver aqui, você tem que fazer valer o seu mandato. Dar uma dimensão de grandeza ao seu mandato, para servir o seu país", concluiu.
 

Confira a entrevista na íntegra:

 

Jucá garante votação no Senado até fevereiro

Pelo Twitter, o presidente nacional do PMDB, senador Romero Jucá (RR) disse que, depois de ser aprovada na Câmara, a reforma da Previdência será analisada até fevereiro de 2018 no Senado. O parlamentar — que é um dos principais aliados do presidente Michel Temer — também confirmou que a maior parte da bancada do PMDB já decidiu fechar questão e votar a favor da reforma.
 

Aposentados e pequenos agricultores protestam

Desde a última terça-feira (5/12), um grupo de pequenos agricultores está acampado em um dos corredores da Câmara dos Deputados e fazendo greve de fome para prostestar contra a reforma da Previdência. A intenção deles é permanecer no local até serem retirados por seguranças da Casa. Na manhã desta quarta-feira, cerca de 50 aposentados participaram de uma manifestação na 302 Norte, onde moram alguns parlamentares. Em um momento do ato, eles chegaram a deitar no chão, bloqueando o trânsito em uma das vias do local.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.