Publicidade

Estado de Minas

Ministro Moreira Franco condena cartel nos postos de combustíveis

Em seu Twitter, o ministro afirmou que o governo acionou o Cade contra a prática


postado em 07/02/2018 20:32 / atualizado em 07/02/2018 20:45

(foto: Bárbara Cabral/CB/D.A Press)
(foto: Bárbara Cabral/CB/D.A Press)
 
O ministro Moreira Franco, da Secretaria Geral da presidência, condenou, na tarde dessa quarta-feira (7/2), em sua conta no Twitter, a ação cartelizada das corporações do setor de combustíveis. Ele afirmou que o governo acionou o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) contra o cartel de postos de gasolina. “Queremos que a queda de preços da Petrobrás chegue aos consumidores. Não podemos assistir de mãos atadas à atuação cartelizada das corporações do setor em prejuízo da população”, escreveu o ministro. 
 
 
Para o ex-presidente do Cade, Ruy Coutinho, o mais difícil é provar a existência de um cartel, já que há uma série de condições do mercado que refletem na oferta e na demanda. “Precisamos levar em consideração, por exemplo, que o mercado de combustíveis é marcado por uma similaridade de preços e isso isoladamente não pode ser considerado cartel. É preciso um comportamento paralelo maior das associações, sindicatos, postos”, explicou.
 
Coutinho destacou que a similaridade constante de preços deve funcionar como um sinal amarelo para que o Cade faça um acompanhamento mais refinado dos agentes de combustíveis. “Pode ser que esteja havendo esse movimento ou não, mas acho que é preciso aperfeiçoar os instrumentos de investigação”, completou. 

A assessoria de comunicação social do Cade informou que, até a tarde de ontem (6/2), não foi protocolada consulta ou petição a respeito do assunto. 
 
* Estagiária sob supervisão de Anderson Costolli. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade