SIGA O
Correio Braziliense

Duas mães, três filhos: família narra casos de respeito à diversidade

"Uma mãe veio pedir para a filha ser da sala de um dos nossos filhos, porque queria que ela aprendesse que existem outros modelos de famílias", afirma a carioca Vanessa Bhering, casada com a brasiliense Marília Serra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/04/2016 18:00 / atualizado em 21/04/2016 18:30

Marina Adorno - Especial para o Correio

Rodrigo Nunes/Esp. CB/D.A Press
 

 

À primeira vista, muitos definiriam esta família como moderna. Mas basta uma observação um pouco mais detalhada para perceber que, na verdade, ela é bastante tradicional. A carioca Vanessa Bhering, 44 anos, veio para Brasília com apenas 3 anos. Marília Serra, 45, nasceu na capital. As duas se conheceram em 2002, durante um concerto de música clássica no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB). Marília diz que gostou de Vanessa de cara. Dez dias depois, elas começaram a namorar e, depois de um ano, foram morar juntas.

As duas sempre quiseram ter filhos. Vanessa, especialmente, sonhava gerar um bebê. “Decidimos, então, fazer o tratamento de fertilização in vitro com doador anônimo. Caso não desse certo, adotaríamos”, explicou Vanessa. Logo ela engravidou e, em 2010, nasceu Samuel, 6 anos. Depois de acompanhar a gestação da Vanessa, Marília, que nunca fez questão de engravidar, mudou de ideia e decidiu também fazer o tratamento. Foram duas tentativas e, em 2011, para surpresa das duas, vieram gêmeos: Mateus e Felipe, 4. O mais interessante é que os três são irmãos de sangue, pois as mães optaram por utilizar o mesmo doador.

Apesar de nunca terem passado por nenhuma situação de preconceito, elas confessam que tiveram medo na hora de começar uma família. “Não por nós duas; meu maior medo era de eles sofrerem bullying na escola”, afirma Vanessa. Essa foi outra surpresa boa que Marília e Vanessa tiveram: até o momento, elas só perceberam curiosidade por parte dos colegas dos filhos. “Temos histórias muito legais na escola dos meninos. Quando o Samuel começou a estudar, teve uma mãe que veio pedir para a filha ser da sala dele, porque queria que ela aprendesse que existem outros modelos de famílias”, comemora Vanessa.

Marília e Vanessa adoram morar em Brasília e enxergam a cidade como um bom lugar para criar filhos. “Aqui, você pode descer do prédio e passear lá embaixo. Em outras cidades, ao descer do prédio, você está no meio da rua. Nós temos uma quadra com área verde à nossa disposição”, ressalta Marília. Nos fins de semana e feriados, a família gosta de passear, vai ao Eixão do Lazer, ao Parque da Cidade, ao Jardim Botânico e ao CCBB. Para Samuel, porém, o melhor lugar da cidade é o quarto de brinquedos dele e dos irmãos.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
patrick
patrick - 22 de Abril às 09:42
Lamentável. Infelizmente a depravação humana não tem limites. As crianças são o principal alvo, pois, quando a mente delas estiver dominada, o mundo será totalmente depravado.

publicidade