SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Apenas 16% dos candidatos passaram na prova da OAB no ano passado

As últimas seis edições da 1ª fase da OAB tiveram o menor índice de aprovados. Isso questiona a viabilidade da prova e a qualidade dos cursos de direito e da educação, em geral

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/02/2013 14:15 / atualizado em 27/02/2013 15:46

Tina Coelho/Esp.CB/D.A Press


Em 15 de dezembro de 2012 foi realizado o 9º Exame de Ordem Unificado. O resultado foi decepcionante: dos 114.763 bacharéis em direito que fizeram a prova, apenas 19.134 — sendo 1.064 do Distrito Federal — passaram e seguem para a segunda fase (que ocorre hoje). O percentual, 16,67%, é o mais baixo entre os seis últimos exames. Essa etapa conta com questões objetivas sobre conhecimentos jurídicos. Na seguinte, os candidatos devem escrever uma petição e quatro questões discursivas nas áreas escolhidas: direito administrativo, civil, constitucional, empresarial, penal, do trabalho ou tributário e seu correspondente direito processual.

Para o advogado Maurício Gieseler, que edita o Blog Exame de Ordem (com cerca de 20 mil acessos diários), a última prova foi um pouco mais rigorosa, mas há uma questão mais antiga. “Esse conhecimento mínimo exigido do advogado é definido pela OAB e pela FGV, responsável pela prova, mas não há um consenso”, aponta.
O secretário-geral adjunto da OAB-DF, Juliano Costa Couto, destaca que o exame é importante, já que muitos profissionais não saem qualificados da faculdade. “Esse tipo de avaliação deveria ser empregado, inclusive, para outras profissões”, considera. Porém o secretário reconhece que a comunicação entre a OAB e as instituições de ensino superior deve ser mais ampla, para identificar os pontos em que estas precisam melhorar.


A advogada Thays Maciel, 23 anos, passou na 8ª edição do exame. Ela acredita que mudanças são necessárias, principalmente no processo de correção da segunda fase. “Existem respostas padrão e, se você não escreve exatamente aquilo que sai no gabarito, a sua é considerada errada”, observa. Para a bacharel, isso não avalia o aluno, pois é um processo eliminatório.

Quanto aos que não passam na primeira fase, Thays acredita que a responsabilidade é muito mais da faculdade. “Por isso, passar por um bom estágio faz muita diferença na hora do exame”, opina. Apesar das deficiências, eles ainda consideram que o exame deve existir.

Anos de (des)preparo

Categorizando os cursos de direito de excelência no Brasil, a Ordem criou o Selo OAB em 2011, que entregou os certificados a 89 instituições, sendo duas de Brasília. Maurício Gieseler vê com desconfiança a classificação. “São levados em conta os resultados do exame da OAB e do Enade, que é uma avaliação sem impacto claro”, argumenta. Juliano Costa Couto admite que nem todas as faculdades e universidades sem selo são ruins e lembra que bons professores e boa instituição não são suficientes. “A conduta do aluno interfere muito no seu rendimento.”
Os dois advogados concordam, no entanto, que o problema não é só esse. Segundo o Indicador de Analfabetismo Funcional (Inaf), 38% dos universitários brasileiros são capazes de ler e escrever, mas não conseguem interpretar e associa r informações. Ou seja, a maior defasagem ainda está no ensino básico.

Confira dicas do blogueiro Maurício Gieseler sobre a prepararação para a prova:

* Dê a si mesmo um prazo de 4 a 6 meses para se preparar;
* Veja as disciplinas que caem e estude, em especial, legislação;
* Faça um cronograma diário de estudos;
* Resolva questões de provas anteriores e simulados, inclusive para aprender a fazer mais rápido;
* Um cursinho preparatório costuma ser um investimento interessante;
* É necessário fazer um bom planejamento financeiro, pois, seja no cursinho ou estudando por conta (nesse caso, você terá que comprar material), gasta-se algum dinheiro;
* Estabeleça um sistema de revisão depois de estudar todo o conteúdo;
* O controle emocional é muito importante. Nervosismo atrapalha muita gente na hora do exame.
Saiba mais: www.portalexamedeordem.com.br/blog

publicidade

Tags:
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade