Caesb vai ajudar a reconstruir o saneamento básico haitiano

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 01/02/2010 09:11

Luísa Medeiros

O devastador terremoto que atingiu o Haiti há 20 dias destruiu grande parte do precário sistema de saneamento básico que servia a população. Os sobreviventes da tragédia estão sem abastecimento de água potável e precisam conviver com o esgoto a céu aberto nas regiões atingidas. A situação é crítica e oferece riscos, como a ameaça de doenças como hepatite e problemas intestinais. Para ajudar a melhorar esse cenário, a Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb) enviará um grupo técnico para o país caribenho. O presidente da Caesb, Fernando Leite, e três engenheiros especializados no assunto deverão embarcar nesta quarta-feira para Porto Príncipe, capital do país, com a missão de elaborar um plano emergencial de reconstrução do saneamento haitiano. Leite afirma que a empresa foi convidada a participar do projeto pelo governo haitiano. Inicialmente, o grupo fará um levantamento de campo para traçar como será a atuação (de curto, médio e longo prazo) nas áreas atingidas. Segundo Leite, a ação prioritária deverá ser o tratamento do esgoto espalhado nas ruas para evitar a propagação de doenças. "Ainda não sei se iremos tratar o esgoto no local ou se iremos colhê-lo e depositá-lo em valas. Vai depender das condições físicas e logísticas das cidades", disse. O segundo passo é a elaboração de um projeto emergencial para abastecimento de água nos acampamentos para onde são levados os sobreviventes. "Poderá haver captações em córregos ou em águas subterrâneas, por meio de poços artesianos. Vamos levar em conta as questões geográficas", afirma Leite. Por fim, o grupo brasileiro pretende fazer uma acordo de cooperação técnica com o governo do Haiti para implantar o sistema de saneamento básico definitivo. As negociações entre a Caesb e a Direção Nacional de Água Potável e Saneamento (Dinepa) ocorreram por intermédio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Os gastos com equipamentos, materiais e obras serão arcados pelo banco. A Caesb ajudará com a tecnologia desenvolvida na capital e a equipe técnica especializada. De acordo com Leite, a missão da Caesb estará alinhada com o programa de atendimento ao Haiti já desenvolvido pelo governo federal. Ele e os engenheiros devem ficar uma semana no país, mas voltam em seguida a Brasília para organizar o trabalho que será executado. "Sabemos das dificuldades que o país passa e da falta de infraestrutura local, mas todos estão muito felizes em poder contribuir nessa tragédia sem proporção no mundo."
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.