Embora apenas 5% dos haitianos se digam praticantes, o Vodu é forte no país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/02/2010 09:01 / atualizado em 02/02/2010 10:01

>>Renato Alves
Enviado especial


Porto Príncipe —
Ex-padre católico, o então presidente do Haiti Jean Bertrand Aristide declarou, em abril de 2003, o vodu como religião oficial do Haiti. Com essa posição do governo, os casamentos realizados no vodu passaram a ser aceitos e considerados oficiais, tendo valor religioso, como ocorre com as demais religiões ao redor do mundo. Aristide acabou expulso do país por tropas francesas e norte-americanas em 29 de fevereiro de 2004, mas o vodu ficou.

No entanto, a religião sofre fortes preconceitos dentro e fora do país, onde dois terços da população são de católicos. Muito acusam o vodu de ser uma crença(1) primitiva e responsável pelo atraso social e até econômico do Haiti. Em meio à catástrofe humanitária vivida pelos conterrâneos, o cônsul do Haiti em São Paulo, por exemplo, afirmou que toda aquela tragédia era culpa de uma “maldição” feita “pelos africanos que moram lá”. Tentando associar a “maldição” à “macumba”, George Samuel Antoine quis dizer basicamente que o terremoto foi culpa do vodu. Ele ainda disse que a “desgraça de lá” estava sendo “boa pra gente aqui”. No dia seguinte, o cônsul pediu desculpas.

Roseana Kipman, mulher do embaixador brasileiro no Haiti, Igor Kipman, vivenciou a veneração dos haitianos pelo vodu no dia do terremoto. Durante cinco horas subindo morro, passando por corpos, ela se deparou com milhares de pessoas rezando, cantando e queimando as vitimas. “Essa história de que eles estão queimando corpos porque são violentos, esse monte de coisa que estão falando lá no Brasil, não é nada disso. Eles aqui acreditam que quem morre sem uma parte do corpo vai voltar na próxima vida sem aquela parte. Por isso, eles queimam o corpo”, explicou Roseana, que professa o judaísmo, a um grupo de jornalistas brasileiros no Haiti.

Roseana Kipman dá aulas de português no Haiti. Ela já se acostumou aos costumes de um povo que não costuma chorar e entrar em desespero em meio a um cenário catastrófico. “É um povo sobrevivente, que já passou e ainda passa por muitas privações. O índice de mortalidade infantil é muito alto. Por isso, ninguém pode ficar se apegando a uma criança que pode morrer”, destacou. “As pessoas comem, em média, um prato de comida dia sim, dia não. E os mais fortes são os primeiros a comer. As crianças ficam para o fim. Um homem forte pode salvar uma criança. Mas alimentar a criança que não vai poder salvar a vida de um adulto forte não faria o menor sentido, é a cruel lógica da sobrevivência.”

1 - Grande mistura

“Primo” do candomblé e da umbanda, tão comuns no Brasil, o vodu haitiano veio com os escravos africanos e é baseado em elementos dos povos Ibo (no Congo) e Yoruba (da Nigéria). É uma crença claramente sicrética, já que une elementos das antigas práticas religiosas tribais da África — baseadas na presença de uma ampla gama de espíritos — com pinceladas do catolicismo romano. O vodu, paradoxalmente, tem características associadas com a modernidade, como a não discriminação de homossexuais. A orientação sexual ou identidade de gênero não são levadas em conta nos rituais. Há até templos (os “hounfos”) nos quais todos os líderes são gays ou lésbicas.

A religião no Haiti

64% dos haitianos são católicos

23% são protestantes

5% praticam o vodu

8% não têm filiação