SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Comando Nacional de Greve divulga carta com explicações sobre fim da greve

Professores do ensino superior estavam parados desde 28 de maio. Docentes criticam postura do governo relativa à educação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/10/2015 20:14 / atualizado em 13/10/2015 20:27

Laura Tizzo /Especial para o Correio

O fim da greve dos professores de universidades e institutos federais foi aprovado na última sexta-feira (9) pelo Comando Nacional de Greve (CNG) do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes). A previsão, segundo a organização do movimento, é de que as atividades voltem entre 13 e 16 deste mês.

As causas para o término da paralisação, no entanto, somente foram divulgadas hoje por meio de uma carta do CNG. Segundo o documento, a decisão foi motivada por "duros e sucessivos ataques aos serviços públicos e aos direitos sociais e trabalhistas" provenientes do governo federal.

A carta critica ainda o "projeto privatista de educação defendido pelo governo, baseado na transferência de recursos públicos para o ensino privado". O Andes acredita que o governo tenha cortado, em 2015, mais de R$ 12 bilhões da educação pública, ao passo que "manteve e ampliou o repasse de recursos públicos para as empresas educacionais privadas", como consta na publicação.

A greve que deve se encerrar esta semana foi a mais longa da história das instituições de ensino superior. Ela teve início em 28 de maio, completando, portanto, 125 dias ao todo. Em 2012, a paralisação havia se estendido por 124 dias.

 

 

 

Confira a carta na íntegra:

Os docentes das Instituições Federais de Ensino (IFE), organizados pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), que construíram uma greve de 139 dias, apresentam as circunstâncias que levaram a saída unificada da greve nacional.


A deflagração da greve nacional dos docentes federais, em 28 de maio de 2015, ocorreu em um contexto de extrema precarização das condições de trabalho e desvalorização da carreira docente, inclusive com forte defasagem salarial. O cenário de precarização se agravou com a expansão da rede federal do ensino promovida pelo governo nos últimos anos, de forma desordenada e irresponsável, materializada, por exemplo, nas inúmeras obras inacabadas em nossos locais de trabalho.


Durante a greve, docentes de todo o país, vinculados em torno de 50 Instituições Federais de Ensino, estiveram unidos na luta em defesa do caráter público da educação se contrapondo e denunciando o projeto de privatização e mercantilização desse direito fundamental ao exercício pleno da cidadania.


A pauta apresentada pelo CNG do ANDES-SN ao governo reafirmou as reivindicações históricas da categoria: defesa do caráter público das instituições federais de ensino; melhoria nas condições de trabalho; garantia de autonomia universitária; reestruturação da carreira e valorização salarial de ativos e aposentados.


Como em outras greves, manteve-se a intransigência do governo federal. Tanto no Ministério da Educação quanto no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão não houve negociação com a categoria. Somente após marchas, manifestações e ocupações dos ministérios, o governo se dispôs a receber o CNG do ANDES-SN. No entanto, ficou claro que as nossas reivindicações se contrapõem ao projeto privatista de educação defendido pelo governo, baseado na transferência de recursos públicos para o ensino privado, na adoção de parceria público-privada como forma de financiamento das IFE e na execução de cortes no orçamento da educação pública. Não foi a toa que a resposta mais concreta aos docentes e estudantes veio na forma de truculência e desrespeito com forte repressão policial, com spray de pimenta e cassetadas.


Os duros e sucessivos ataques aos serviços públicos e aos direitos sociais e trabalhistas tendem a se intensificar. Ao mesmo tempo em que o governo cortou, em 2015, mais de 12 bilhões de reais da educação pública, manteve e ampliou o repasse de recursos públicos para as empresas educacionais privadas. A arrogância com que o governo tratou a greve dos servidores públicos federais, e particularmente dos docentes federais, mostra o seu descaso com os serviços públicos, especialmente com as IFE. É evidente que o governo seguirá implementando uma política econômica contra os interesses da classe trabalhadora.


Nesse contexto, a greve dos docentes de 2015 foi um importante instrumento para expor e impedir o avanço da destruição de um dos maiores patrimônios da sociedade brasileira - as Instituições Federais de Ensino.


Isto posto, reafirmamos que seguiremos firmes na defesa de nossas bandeiras históricas, agradecemos o apoio obtido e conclamamos a todas e todos a se incorporarem a essa luta que não é só dos docentes, mas daqueles que desejam um país mais justo e igualitário e uma educação pública, gratuita e de qualidade para toda a população.

publicidade

publicidade