SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Morte de aluna da UnB se parece com o caso Marcelo Bauer, de 1987

Naquele ano, uma estudante de letras foi assassinada pelo namorado. O corpo foi encontrado num matagal. O criminoso nunca cumpriu a sentença de 12 anos e vive na Europa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/03/2016 16:47 / atualizado em 17/03/2016 18:22

Arquivo pessoal
A brutal morte da estudante de biologia da Universidade de Brasília (UnB), Louise Ribeiro, 20 anos, - cujo corpo foi encontrado nesta sexta-feira (11) - não foi o primeiro caso do tipo no Distrito Federal.

 

Em 12 de julho de 1987, o corpo da então aluna de letras na instituição Thaís Mendonça foi achado num matagal perto da 415 Norte.

A jovem de 19 anos foi assassinada pelo namorado. Além de esfaquear o corpo, o gaúcho Marcelo Bauer a sedou com substâncias tóxicas e deu um tiro na cabeça da vítima.

 

Thaís Mendonça ficou desaparecida dois dias antes de ser encontrada. Em 2012, Marcelo foi condenado a 19 anos de prisão, mas nunca cumpriu a sentença.

A crueldade do crime não foi o suficiente para que o assassino fosse parar atrás das grades. Marcelo Bauer fugiu do país horas após o delito.

 

Cerca de 13 anos depois, ele foi encontrado pela Interpol na Dinamarca e ficou detido por oito meses. A Justiça pediu a extradição do brasileiro, que foi aceita, mas a defesa conseguiu reverter o resultado, e Marcelo foi liberado.

Ao recorrer à Suprema Corte da Dinamarca, o governo brasileiro conseguiu a autorização para que ele fosse extraditado.

 

Arquivo pessoal
No entanto, a esse ponto, o assassino estava na Alemanha. Neto de alemão, ele ganhou direito à cidadania no país germânico.

 

O pedido de extradição foi negado pelo governo da nação. O crime deve prescrever em 2029.

 

Ao longo dos anos, o Correio Braziliense produziu diversas reportagens sobre o caso. Relembre:

 

 

 

 

 

 

 

publicidade

publicidade