Ministério da Educação libera mais de R$ 20 milhões para a UnB

Ministério aumentou limite de orçamento e de finanças para as universidades. Porém, o valor do repasse à UnB é insuficiente para tapar o rombo nas contas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/09/2017 19:50 / atualizado em 06/09/2017 20:02

Minervino Junior/CB/D.A Press
A Universidade de Brasília (UnB) terá à disposição R$ 20.275.488, liberados pelo Ministério da Educação (MEC). O montante faz parte do R$ 1 bilhão em liberações financeiras e orçamentárias para universidades e institutos federais no Brasil anunciado nesta quarta-feira (6/9) pela pasta. O valor, no entanto, está abaixo dos cerca de R$ 105 milhões que a UnB precisa para quitar as dívidas.


O MEC explica que, dada a autonomia das universidades, a instituição poderá gerir o montante liberado. Procurada pelo Correio, a UnB informou que ainda não recebeu a informação oficial do aumento dos limites nas finanças e no orçamento.

Na prática, o ministério aumentou o quanto cada universidade pode gastar com investimentos e custeio. No caso da UnB, a instituição terá pouco mais de R$ 12 milhões em limite de uso de recursos financeiros. Para empenho do orçamento, isto é, a previsão de investimentos para a Fundação Universidade de Brasília (FUB), a reitoria terá cerca de R$ 8 milhões como limite.

Isso representa um aumento em cinco pontos percentuais tanto em custeio quanto em investimento nos limites, que passam a ser de 80% e de 50%. Portanto, as universidades ganham maior autonomia na alocações de gastos nas instituições. De acordo com o MEC, desde o início de 2017 já foram repassados R$ 5,27 bilhões em recursos financeiros e R$ 7,1 bilhões em limite para empenho. 
 

Crise

Apesar da liberação, a UnB ainda luta para manter as contas em dia e evitar demissões. A própria reitoria reconheceu, em agosto, que há problemas no pagamento de água e luz. No mesmo mês, empresas terceirizadas responsáveis por limpeza e segurança demitiram 300 funcionários. Os cortes levaram um grupo de estudantes a ocupar um dos blocos de sala de aula da instituição.

 

Especialistas atribuem a crise, em parte, ao crescimento da UnB nos 17 últimos anos. Do ano 2000 até hoje, o total de alunos cresceu 122%. No entanto, o orçamento da instituição não acompanhou o ritmo: em 2017, a manutenção da universidade precisou orçar R$ 136,7 milhões, menos do que os R$ 219,5 milhões empenhados no ano passado.