SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Ciência

Habilidade milenar

Arqueólogos encontram na África do Sul machados e pontas de lança feitos pelo homem há 71 mil anos. A descoberta antecipa em 40 milênios o início da fabricação de ferramentas complexas, o que explicaria por que o Homo sapiens se tornou predominante sobre a Terra

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 09/11/2012 08:00 / atualizado em 08/11/2012 10:19

Max Milliano Melo

 

Imagem reconstitui como  seriam os machados produzidos  há 71 mil anos: evidência  mais antiga da capacidade  humana de planejar um  artefato tecnológico e  transmitir a forma  de fabricá-lo para gerações posteriores (Fotos: Nature/Divulgação) 
Imagem reconstitui como seriam os machados produzidos há 71 mil anos: evidência mais antiga da capacidade humana de planejar um artefato tecnológico e transmitir a forma de fabricá-lo para gerações posteriores

Há cerca de 100 mil anos, surgia uma singular espécie, destinada — para o bem ou para o mal — a povoar todo o planeta: o Homo sapiens. O que fez dela um ser raro em relação a todos os outros animais que já viveram no Planeta Azul foi sem dúvida a enorme capacidade intelectual, que lhe permitiu enxergar além do óbvio e modificar o ambiente a seu favor. Uma descoberta divulgada na edição de hoje da revista Nature indica que a fabricação de ferramentas complexas, como machados e lâminas, começou há 71 mil anos, o que explicaria a capacidade do homem de se espalhar pelo mundo e sobreviver como espécie, ao contrário de seus contemporâneos neandertais, que acabaram extintos.

Até agora, os registros mais antigos de lâminas de pedras talhadas datavam de aproximadamente 30 mil anos atrás. Contudo, em uma caverna encravada na costa da África do Sul, um grupo de pesquisadores norte-americanos e sul-africanos encontram um verdadeiro tesouro arqueológico: machados, lâminas e pontas de lanças feitas de pedra e 40 mil anos mais antigas que as até então conhecidas. “Para encontrá-las, precisamos escavar com muito cuidado por mais de nove temporadas, em um sítio chamado PP5-6”, explica Curtis Marean, um dos líderes do estudo e pesquisador da Universidade do Arizona, nos Estados Unidos. Segundo ele, os achados provam que a capacidade tecnológica do homem se desenvolveu muito antes do que se pensava. “Descobrimos que uma tecnologia muito complexa foi passada de geração em geração há cerca de 71 mil anos”, completa.

Embora os cientistas soubessem que hominídeos ancestrais do homem já utilizassem pedras como ferramentas há milhões de anos, a capacidade de moldar esses objetos e passar a técnica para as novas gerações só apareceu bem mais tarde. Além disso, muitos arqueólogos sustentam que a humanidade desenvolveu e perdeu a capacidade de usar ferramentas várias vezes, como lembra Chris Stringer, especialista em evolução humana do Museu de História Natural de Londres. “Se você não tem uma população com um tamanho suficiente, o conhecimento pode se perder”, afirma, em uma reportagem que acompanha a nova descoberta no site da Nature.

Os artefatos produzidos na África do Sul seriam, portanto, os mais antigos de uma linhagem de conhecimento que não se perdeu e ajudou o Homo sapiens a evoluir rapidamente e se espalhar por outras regiões para além da África do Sul. “A descoberta mostra ainda que, nessa fase inicial, os humanos conseguiam projetar e manter tecnologias complexas, passando sua construção adiante, assim como nós (fazemos hoje)”, comenta Marean. Isso, 40 milênios antes do que se imaginava até agora.

Pesquisadores trabalham em caverna: atividade minuciosa 
Pesquisadores trabalham em caverna: atividade minuciosa

Vantagem competitiva
Além de reescrever uma parte importante da evolução tecnológica, o achado divulgado hoje pode explicar outros eventos da história humana. A principal delas é ajudar a responder por que o Homo sapiens se sobrepôs ao Homem de Neandertal (Homo neanderthalensis), grupo humano complexo cujos vestígios mais antigos foram encontrados no vale do Rio Düssel, na Alemanha, mostrando que as duas espécies conviveram na Terra. A questão de por que o H. sapiens sobreviveu e os neandertais acabaram sumindo da Terra intriga até hoje os especialistas.

Os arqueólogos responsáveis pelo estudo supõem agora que, como o período de desenvolvimento e perpetuação das técnicas de fabricação e uso de ferramentas complexas é anterior à extinção dos neandertais, esse pode ter sido um dos pontos fundamentais para que o homem moderno se perpetuasse. “As ferramentas foram absolutamente uma vantagem competitiva”, acredita Curtis Marean. Ou seja, quando precisou brigar por espaço e alimento, o H. sapiens podia contar com técnicas que lhe permitiam modificar o ambiente que o cercava, protegendo-se dos perigos e potencializando sua força. Vale lembrar que a criação de ferramentas foi o pontapé inicial para o desenvolvimento de uma série de outras tecnologias, como os anzóis, arcos, flechas e cordas (veja quadro).

Outra discussão com a qual o novo estudo pode contribuir diz respeito à teoria de que existiu uma espécie de Homo sapiens precoce antes do aparecimento do homem moderno. “Sob esses aspectos (revelados no estudo), essa hipótese provavelmente estaria errada”, disse à Nature John Shea, paleoantropólogo da Universidade Stony Brook, em Nova York.

A pesquisa na África do Sul não deve parar com a publicação do artigo. Os arqueólogos e paleontólogos envolvidos acreditam que mais informações importantes sobre a história evolutiva do homem podem ser encontradas no lugar. “Pretendemos continuar com as escavações na tentativa de encontrar novas surpresas”, adianta Curtis Marean.
Montagem mostra tamanho dos objetos de pedra: ferramentas úteis 

Montagem mostra tamanho dos objetos de pedra: ferramentas úteis

 

 

 

Produtos da criatividade humana


Veja como o uso de ferramentas pelo homem
se sofisticou ao longo do tempo


Há 2,5 milhões de anos
Muito antes de o Homo sapiens surgir, seus antepassados
usavam pedras para quebrar coisas e potencializar sua força,
como fazem os macacos modernos

400 mil anos

As primeiras roupas, feitas com pedaços de pele e folhas, passam a ser usadas para proteger do frio. Surgem também lanças de varas de madeira

71 mil anos
As descobertas apontam que machados, foices, facas e outras ferramentas complexas foram desenvolvidas cerca de 30 mil anos após o
surgimento do Homo sapiens

37 mil anos
A técnica que possibilitou a ampliação da pesca é bastante recente. Embora haja divergências, pesquisadores acreditam que foi a apenas
35 mil anos antes de Cristo que os primeiros anzóis surgiram

30 mil anos
As roupas se sofisticam e passam a ser costuradas

22 mil anos
Embora sejam alguns dos símbolos do homem primitivo, arcos e flechas surgiram com as primeiras civilizações

20 mil anos
Os mais antigos exemplares de cerâmicas foram encontrados na China, como revelou uma pesquisa recente. Antes dessas peças, eram conhecidos fragmentos que datavam de 12 mil anos, achados no Oriente Médio e no Japão

19 mil anos

No sul da França, foram encontradas as primeiras cordas trançadas, que mais tarde permitiriam o surgimento dos primeiros barcos
 
10 mil anos
Os mesopotâmicos conseguiram desenvolver uma ciência essencial
para o homem moderno — e existente até hoje — que revolucionou a fabricação de ferramentas: a metalurgia

Fonte: 1001 invenções que mudaram o mundo (Sextante).

 

Tags:

publicidade

publicidade