SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Para fugir do Android

Sistemas operacionais alternativos marcaram presença na MWC. O Firefox OS é voltado para aparelhos de baixo custo e o Sailfish, da Jolla, aparece como o sucessor do MeeGo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/03/2013 12:26


Gary Kovacs, CEO do Mozilla: o objetivo da empresa é aumentar a área de atuação, o que inclui os dispositivos móveis (Josep Lago/AFP) 
Gary Kovacs, CEO do Mozilla: o objetivo da empresa é aumentar a área de atuação, o que inclui os dispositivos móveis

Barcelona — Um pequeno celular da fabricante chinesa ZTE roubava a atenção dos foblets, dos tablets e dos smartphones. Não por conta das especificações, mas pela novidade do sistema operacional que fazia a máquina funcionar: o Firefox OS, que passou por sua primeira grande exibição durante o Mobile World Congress. Quatro fabricantes (LG, Sony, ZTE e Alcatel-Lucent) anunciaram que farão dispositivos equipados com essa nova plataforma.

Além do fator novidade — e de ser uma das poucas alternativas ao batalhão de Androids e Windows Phones exibidos na feira —, o Firefox OS chama a atenção pela filosofia. Concebido como um software barato para celulares a preços acessíveis, ele é feito em código aberto com base na linguagem HTML5, a mesma utilizada nos navegadores de internet mais avançados. Isso significa que a loja de aplicativos dos celulares com esse sistema é basicamente toda baseada na web.

A Jolla apresentou a interface do sistema operacional Sailfish: sem botões físicos, mais fluido e intuitivo (Jolla/Reprodução) 
A Jolla apresentou a interface do sistema operacional Sailfish: sem botões físicos, mais fluido e intuitivo

“O Firefox OS traz a liberdade e a inovação sem limites da internet aberta para os usuários de telefones móveis no mundo. Com o apoio da nossa comunidade e dos parceiros, nosso objetivo é aumentar a área de atuação e oferecer uma explosão de conteúdo e serviços que vão ao encontro da diversidade exigida pelas pessoas que estão on-line”, disse Gary Kovacs, CEO do Mozilla.

A interface também ajuda a consolidar essa ideia. No menu de apps, há uma barra de busca que interliga informações com aplicativos em HTML5. Digitar o nome de uma banda, por exemplo, leva a perfis em redes sociais, aos sites oficiais e até mesmo aos links com músicas ou vídeos para serem ouvidos no SoundCloud ou vistos no YouTube. Há também uma loja de aplicativos, mas, segundo a Mozilla, responsável pelo sistema, é apenas para não confundir os usuários acostumados com esse modelo de download.

Os dois aparelhos disponíveis na feira com o sistema também reforçam a ideia de que o Firefox OS é feito para smartphones baratos. O ZTE Open e o Alcatel One Fire compartilham diversas especificações: tela de 3,5 polegadas, câmera de 3.2 megapixels e processador Qualcomm com frequência entre 600MHz e 800MHz.

O Firefox OS foi feito com base no HTML5: tudo está na nuvem (Mozilla/Divulgação) 
O Firefox OS foi feito com base no HTML5: tudo está na nuvem
Outro sistema operacional que deu as caras no MWC foi o Sailfish OS, da startup finlandesa Jolla. O software é conhecido como sucessor do MeeGo, que era baseado em Linux, nasceu dentro da Nokia e acabou abandonado em detrimento da parceria com a Microsoft (Windows Phone). No evento, a empresa mostrou uma versão de testes do sistema rodando em um Nokia N9, e apontou que, até o fim do ano, vai lançar um aparelho com o sistema, embora não tenha mencionado se o licenciamento será feito por meio de código aberto.

Intuitivo
Alguns dias antes do MWC, a empresa anunciou uma parceria com a ST-Ericsson para adicionar o sistema à plataforma da empresa. “Queremos convidar os outros empresários da indústria móvel para que se unam a nós e contribuam com esse momento de mudança”, disse Marc Dillon, CEO da Jolla.

Sem utilizar botões, o sistema operacional tem uma interface fluida e intuitiva. Com duas passadas de dedo para baixo, o aparelho sai da tela de bloqueio para a área de trabalho e, em seguida, para a lista de aplicativos. Os programas mostram informações na interface principal, mesmo quando minimizados, e um movimento com o dedo para a direita abre uma central de notificações. O celular também permite que dois apps rodem ao mesmo tempo em tela dividida — uma função reservada a apenas alguns aparelhos bem mais potentes mostrados, como o Galaxy Note 8.
Tags:

publicidade

publicidade