SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Inep divulga manual para que candidatos entendam o cálculo da nota do Enem

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 28/12/2012 12:49 / atualizado em 30/12/2012 11:49

Mariana Niederauer

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) divulgou, nesta sexta-feira (28/12), um guia para que os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2012 entendam o cálculo da nota da prova objetiva. A consulta individual aos resultados do exame também foi disponibilizada nesta sexta.

Acesse o guia do participante para entender a sua nota no Enem


O manual explica o uso da Teoria de Resposta ao Item (TRI). O modelo matemático utilizado pelo Inep para calcular a nota não leva em consideração apenas o número de questões corretas, mas também a coerência das respostas do participante no conjunto da prova, de acordo com o grau de dificuldade de cada questão.

O cálculo é feito de forma independente por três grupos de especialistas e consiste em seis etapas:



O modelo usa três parâmetros. O de discriminação mostra o domínio do participante da habilidade exigida na questão. O segundo parâmetro mostra o grau de dificuldade da questão. O último mede a probabilidade de um participante acertar a questão de maneira casual, ou seja, sem dominar a habilidade exigida.

No TRI, espera-se que participantes que acertaram as questões difíceis devam também acertar as questões fáceis, pois, entende-se que a aquisição do conhecimento ocorre de forma cumulativa, e, portanto, as habilidades mais complexas requerem o domínio de habilidades mais simples. No manual, o Inep exemplifica a coerência pedagógica desejada por meio de uma régua:






O manual lembra ainda que a nota do participante depende exclusivamente do desempenho dele, e não do desempenho de outros participantes ou dos concluintes do exame de 2009. Apesar de a nota do Enem não ser calculada diretamente pelo número de acertos, existe uma relação entre o número de acertos e a nota calculada pela TRI. Isso quer dizer que um participante que teve um número de acertos alto terá nota alta no Enem, e um participante que teve pouco acerto terá nota baixa, notas essas relacionadas com os valores mínimo e máximo de cada prova.

Confira as respostas para as dúvidas mais frequentes em relação à nota do Enem:
Por que em 2011 acertei mais questões em Matemática do que em 2010 e a nota foi menor?
A nota na TRI não é calculada diretamente pelo número de acertos. A nota se baseia na complexidade do que é exigido em cada questão. Apesar de as provas de 2010 e 2011 possuírem o mesmo conteúdo pedagógico, na prova de 2011, havia questões relativamente mais fáceis do que na prova de 2010, o que exigiu dos participantes um maior número de acertos para mostrar o mesmo domínio.

Como calcular a média das minhas notas no Enem
?
O Inep divulga as notas por área do conhecimento. Cada universidade tem autonomia para definir os critérios de uso das notas do Enem para ingresso na educação superior.

Como se pode, na prova do Enem 2011, acertar 40 questões em Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e minha nota ser 658,2?

Apesar do número grande de acertos, é preciso analisar a coerência das respostas na prova. Provavelmente, das cinco questões que você errou, deve haver algumas questões bem fáceis e, por isso, o acréscimo da sua nota não foi maior. É importante lembrar também que a nota máxima na prova de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, na edição de 2011, foi 795,5, ou seja, caso você tivesse acertado 45 questões, sua nota teria sido 795,5.

Se acertei mais questões em Ciências Humanas que em Matemática, por que minha nota em Matemática é maior?
O importante é você verificar, a partir da escala pedagógica construída pelo Inep para cada uma das áreas, o significado pedagógico da nota que você obteve em cada área. As notas não são comparáveis diretamente entre as áreas.

Qual é o peso de cada questão do Enem utilizado no cálculo da nota?

No Enem, não são utilizados pesos para o cálculo das notas. A estimação da proficiência tem como base a consistência das respostas e as características (parâmetros) de cada questão. Entretanto, esses parâmetros não podem ser interpretados como pesos, e está errada a inferência de que a divulgação dos parâmetros possibilitaria a reprodução dos cálculos a partir de simples ponderações.

A utilização da TRI no cálculo dos resultados torna a prova do Enem mais difícil?

O uso da TRI no cálculo dos resultados não altera a dificuldade da prova. A TRI não modifica, significativamente, a classificação dos participantes em relação ao percentual de acertos. Contribui, sim, para detalhar melhor as notas, o que ajuda a evitar grande número de empates. Aplicando ou não a TRI, o mais preparado se sairá melhor na prova.

Como sei se fui bem na prova depois da divulgação das notas?
Meses depois da aplicação do exame, o Inep divulga em seu site, na página de acompanhamento do Exame, o boletim do participante, o qual registra a porcentagem de participantes do Enem por faixa de proficiência (abaixo de 300, 300 a 400, 400 a 500, 500 a 600 e, assim, sucessivamente). A partir dessa distribuição, é possível verificar em qual faixa sua nota se posiciona.

Quais as notas mínima e máxima nas provas objetivas?

As notas mínimas e máximas variam e dependem das questões da prova. Como as questões das provas não são as mesmas, em cada ano, podemos ter notas mínima e máxima diferentes. Na divulgação dos resultados, o Inep disponibilizará as notas mínima e máxima das provas objetivas.

Tags:

publicidade

publicidade