SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Das flanelas à Universidade de Brasília

Vigia de carros insiste até conseguir bolsa de estudos em cursinho e consegue a tão sonhada aprovação no vestibular

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/07/2014 20:37 / atualizado em 17/07/2014 15:22

Ana Paula Lisboa

Bruna Furlani/CB Press
Aos 52 anos, José Mario Silva dos Santos teve a emoção de ver seu nome na lista dos 3.961 aprovados no vestibular da Universidade de Brasília (UnB) na última segunda-feira (14/7). Ele poderia ser apenas mais um estudante, não fosse a história de superação e persistência. Natural de São Luís (MA), morador de Planaltina, José Mario foi pedreiro, lavador de carros e flanelinha, função que ocupa atualmente. Depois de concluir o ensino médio no Maranhão, ele passou mais de 28 anos longe dos estudos, mesmo assim, conquistou uma vaga para o bacharelado em gestão ambiental no câmpus Planaltina.

“Passar não é um bicho de sete cabeças como as pessoas dizem. Não é tudo isso: basta ter dedicação, insistir, ter perseverança. É chegar em casa e estudar mesmo”, indica. Um dos seus lemas vêm da Canção do Tamoio, de Antônio Gonçalves Dias, que diz que viver é lutar: “A vida é combate, que os fracos abate, que os fortes, os bravo só pode exaltar.”

O que ajudou na aprovação também foi o hábito de buscar conhecimento. “Se eu via livros e cadernos jogados por aí, eu pegava e lia. Tentava resolver os exercícios. Nunca me deixei enferrujar e também já trazia um embasamento do meu passado”, analisa. Desde os tempos de escola, José Mario, ou Maranhão como é conhecido na rua, tem facilidade e gosto por geografia, história, química, física e matemática.

“Eu gosto muito dessa área que o curso envolve. Também tem a ver com a natureza”, esclarece. A maior dificuldade foi na redação, em que obteve nota 5 no vestibular. “Em São Luís, aprendi o sistema de redação narrativo, mas, nas provas, é cobrado o texto dissertativo. Tive que aprender a dissertar e a ter coerência e coesão”, lembra.

Uma mãozinha
Bruna Furlani/ CB Press
Uma bolsa concedida pelo cursinho pré-vestibular MFE, de Planaltina, foi importante para superar esse obstáculo. “Eu cheguei lá e pedi para estudar porque queria passar na UnB. Eles não me levaram a sério, mas, depois de insistir, toparam me dar um mês e meio de bolsa”, lembra. O diretor do cursinho, Fernando Gonçalves, foi vencido pelo cansaço. “Ele ia ao cursinho incessantemente pedindo para estudar. Nós tínhamos medo pelo preconceito que outros alunos poderiam ter pelo fato de o José ser flanelinha, mesmo assim, decidimos dar uma oportunidade a ele em agosto do ano passado”, conta Fernando.

A chance oferecida logo deu resultados e, em dezembro de 2013, José Mario apareceu entre os aprovados para o curso de geografia no vestibular da Universidade Estadual de Goiás (UEG). “Fui aprovado, mas não classificado, mas foi por pouco. Meu déficit em português fez com que meu desempenho em redação não fosse bom”, lembra. “Quando os professores do cursinho viram que eu estava levando a sério, resolveram me dar bolsa por mais tempo. Estudei, então, até o vestibular”, disse.

A professora de geografia Aracelly Castro foi uma das grandes incentivadoras de José Mario. “No início, ele estava mais inseguro, achava que não ia passar e pensou em desistir. Muita gente o estimulou a ficar. Ele é um aluno muito participativo e não volta para casa com dúvidas”, afirma a professora.

Para as colegas de cursinho Flávia Magalhães, 24 anos, e Marilda Rodrigues, 20, o vigia de carros é uma inspiração. “Ele é um guerreiro e uma motivação para os outros alunos”, afirma Flávia. “Ele é um exemplo e mostra que é possível conciliar trabalho e estudos. Ele não tem vergonha de errar e vai atrás do que quer”, finaliza Marilda.

Sonho de integração
Para Maranhão, a aprovação no vestibular significa um novo começo. “Eu queria me reintegrar à sociedade ou por meio do vestibular ou por meio de um concurso público. Não estou cheio de glamour, mas estou satisfeito. Tenho a sensação de dever cumprido”, comemora. “Fui a uma igreja evangélica uma vez, e o pastor disse que Deus estava preparando uma universidade para mim. Eu acreditei naquilo piamente. Acreditei, estudei e passei”, conta.

Segundo Maranhão, chegar ao ensino superior é algo que ele deveria ter feito há mais tempo. “Minha irmã, tias, todo mundo da minha família tem nível superior. O meu problema foi que, muito cedo, eu arrumei mulher e filha e fui trabalhar para sustentar a família. Assim, deixei os estudos para trás”.

Pai de quatro filhas com quem não têm contato há anos, veio tentar a vida em Brasília, há nove anos, depois de terminar um casamento que durou 13 anos. “Minha irmã mora no DF, mas não me queria na casa dela. Fui para a rua. Depois, fui trabalhando e melhorando, até conseguir morar de aluguel. Agora, estou morando na casa de uma tia. Isso me deu tranquilidade - e menos despesas - para estudar para o vestibular”, disse.

Segundo José Mario, o faturamento como flanelinha era maior antes de ter de conciliar estudo e trabalho. “Depois que passei a estudar no cursinho, passei a tirar de R$ 800 a R$ mil por mês. Até as pessoas reclamavam que não me achavam mais porque eu estava estudando.” Como aluno da UnB, José Mario pretende deixar de vigiar carros. “Conversei com o diretor do câmpus da UnB Planaltina para saber dos benefícios que eu poderia ter. Posso ter auxílio-alimentação, auxílio-moradia… Vou ir atrás de tudo isso para não ter que vigiar nem lavar carro. UnB é casamento: tenho que me dedicar a ela por inteiro”, brinca.

Entre os planos do calouro para o período de curso está abrir uma roda de capoeira na UnB. “Sempre gostei muito e sou mestre de capoeira. No câmpus Darcy Ribeiro já tem um grupo, mas em Planaltina não. Quero passar a dar aulas lá e tirar algum dinheiro para viver”, planeja. Outra meta é continuar estudando, agora, para outro vestibular. “Vou fazer o curso de gestão ambiental e ficar estudando para passar, pelo Enem, para comunicação social ou direito”.

Bruna Furlani/CB Press
 

publicidade

publicidade