SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

CARREIRA »

Domínio das contadoras

Mulheres ocupam quase metade das vagas em contabilidade e a tendência é que se igualem aos homens no setor

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 16/12/2013 10:39 / atualizado em 16/12/2013 10:40

Geyzon Lenin
A força de trabalho feminina representa quase metade dos profissionais de contabilidade: 41,22% das 492,6 mil vagas no setor são ocupadas por elas. A expectativa é de que em cinco anos a divisão possa ser igualitária. Segundo dados de 2013 do Conselho Federal de Contabilidade (CFC), nos últimos 10 anos, mais de 85 mil mulheres ingressaram na carreira. Na graduação, elas já superaram os homens. O número de matrículas no curso de ciências contábeis é de 181 mil, em comparação a 132 mil alunos do sexo masculino, de acordo com dados do Censo da Educação Superior de 2012.


Quando comparados aos números de 2003, os dados atuais deixam bem claro o avanço das mulheres no setor: de um total de 358 mil trabalhadores, apenas 34,07% eram do sexo feminino. Especialistas afirmam que o crescimento da atuação feminina no ramo de contabilidade se deve a uma série de fatores, como o acesso à educação e também às possibilidades que a carreira pode oferecer aos graduados na área, com vagas tanto no serviço público quanto no setor privado.


De acordo com a conselheira do CFC Celina Coutinho, o setor de contabilidade já possuía um número expressivo de funcionárias atuantes, mas alocadas em trabalhos de escritório. A necessidade de ajudar no orçamento familiar, entre outros fatores, impulsionou a procura por postos de liderança. “Elas resolveram encarar a possibilidade de assumir cargos mais importantes e maior responsabilidade na carreira”, diz.


Além de terem que enfrentar um mercado predominantemente masculino, as contadoras encaram o mesmo problema que a maioria das mulheres no mundo corporativo: as diferenças salariais com relação aos homens. Segundo levantamento feito pelo SalárioBR — site de serviço de pesquisa de cargos e salários — um analista de contabilidade homem com quatro a seis anos de experiência no setor ganha R$ 4.067,47 — 5,63% a mais do que um do sexo feminino. Já na posição de gerente de contabilidade, os homens recebem R$ 9.853,74, cerca de 1,54% a mais do que uma funcionária mulher no mesmo cargo e com a mesma experiência.


Um dos atrativos para a mão de obra feminina é a variedade de ramos de atuação no mercado.  “As empresas precisam desses profissionais, seja para abrir as portas, seja para declarar falência, e há defasagem de bons funcionários. A figura feminina apresenta qualidades como disciplina, concentração e metodologia, que normalmente são fatores positivos na hora de serem avaliadas”, explica o vice-presidente do CFC, Antônio Miguel Fernandes.

Imagem nova
Embora o imaginário coletivo ainda associe a figura do contador à de um homem de idade e com uma caneta atrás da orelha, profissionalmente esse perfil já caiu por terra. “Hoje, já não se trata mais de uma questão de gênero, mas de qualidade de serviço, e há a tendência que a presença feminina seja crescente”, diz o vice-presidente do CFC. Bárbara Figueroa, 23 anos, é exemplo dessa mudança. Mesmo jovem, ela acumula cerca de seis anos de experiência no setor. Bárbara esclarece que nunca sofreu preconceito específico devido ao sexo, mas  notou certa desconfiança por causa da idade. “Muitos não veem com bons olhos alguém novo com certas responsabilidades e, acredito eu, ser mulher pode agravar a situação. Mas isso é só no primeiro momento, pois o serviço da pessoa prova muita coisa”, explica a contadora, que já passou por cinco empresas na carreira.


Para José Elias Feres de Almeida, autor do livro Contabilidade de pequenas e médias empresas (Editora Elsevier; 512 páginas; R$ 129), a presença e o crescimento da participação feminina no mercado contábil são benéficos, pois acarretam uma mudança na dinâmica das empresas. “As mulheres possuem capacidades de observação e questionamentos diferentes dos homens. Isso agrega ao bom funcionamento do mercado, pois são novas maneiras de enxergar os problemas vividos”, afirma. A respeito dos próximos desafios a serem enfrentados pelas mulheres no ramo, o especialista é enfático ao dizer que futuras barreiras não são exclusividade apenas quando o assunto é gênero, mas para qualquer profissional dedicado. “É preciso investir na postura diante do trabalho e também na formação, fazer pós-graduação, mestrado e ter domínio de uma segunda língua.”

 

Salário desigual
Relatório publicado pelo Fórum Econômico Mundial, divulgado em outubro, coloca o Brasil no 62º lugar de um total de 136 países no ranking geral de igualdade de gêneros. Foram analisados quatro critérios: poder político, participação econômica, acesso à educação e à saúde. A pior qualificação foi no item “igualdade salarial entre homens e mulheres”, que ficou com a 117º colocação. 

Tags:

publicidade

publicidade