SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

COMPORTAMENTO »

Nação de estressados

Novos modelos de organização do trabalho, excesso de serviço e pressões econômicas contribuem para o aumento da tensão. Profissionais brasileiros lideram o ranking mundial do estresse, mostra pesquisa

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/03/2014 11:54 / atualizado em 30/03/2014 11:56

Dificuldades para se concentrar, desânimo, irritabilidade, depressão e ansiedade no trabalho. Se essas sensações soam familiares para você, cuidado: são alguns dos principais sintomas do estresse. Segundo pesquisa feita pela empresa de recrutamento especializado Robert Half, o profissional brasileiro apresenta os maiores índices de tensão entre 13 países avaliados. O levantamento contou com 1.775 diretores de recursos humanos, sendo 100 do Brasil, e mostra que cerca de 42% dos entrevistados afirmam conviver com funcionários que enfrentam esse problema. O número é muito mais alto do que a média mundial, que ficou em 11%. Lidar com a situação não é algo simples e pode exigir a busca por métodos de alívio da tensão, acompanhamento médico e até mesmo atitudes mais drásticas, como rever planos de carreira.

Para compreender os motivadores desse quadro de mal-estar, é preciso considerar as alterações que o mercado brasileiro enfrenta. Lucas Nogueira, gerente da divisão de Recrutamento Temporário da Robert Half, destaca que, a partir de 2008, novos investimentos e oportunidades, tanto nacionais como internacionais, modificaram as antigas dinâmicas das empresas e, com isso, surgiram desafios. “Antes da década de 2000, o Brasil não tinha uma gestão estratégica. Agora, em meio a outras expectativas e pressões, passamos por um período de adaptação às necessidades de um modelo em que precisamos utilizar melhor o tempo disponível de trabalho”, explica.

Presente em 52% das respostas dos diretores brasileiros, o excesso de serviço ocupa o posto de principal gerador de estresse e de ansiedade. Em seguida, vêm a falta de reconhecimento (44%) e as pressões econômicas (38%). Ao serem questionados a respeito de quais atitudes ajudam a reduzir essa sensação de desconforto, 60% acreditam que o trabalho em equipe é a solução, e 51% apostam na reestruturação de tarefas e obrigações no trabalho.

Nogueira enfatiza que a maneira de lidar com esses problemas passa por questões como o uso eficiente de ferramentas tecnológicas — conferências remotas, internet, possibilidade de trabalhar de casa, entre outras —, além do papel do gestor, de traçar metas e de desenvolver alternativas para minimizar o desconforto de longos períodos de expediente. “Quando há objetivos claros a serem executados e alinhamento entre as expectativas e as capacidades de cada um, os níveis de estresse caem”, garante.

Prejuízo pessoal

Embora os principais estimuladores de estresse e de ansiedade sejam os que envolvem cobranças por resultados e deveres relativos à empresa, dificuldades nos relacionamentos pessoais no trabalho também contribuem para o agravamento da situação. Pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa e Orientação da Mente (Ipom), em 2013, mostrou que 38% dos 1,5 mil trabalhadores entrevistados acreditam que a convivência com chefes e colegas de serviço agressivos e mal-humorados é o principal causador do problema. A psicoterapeuta e presidente do Ipom, Myriam Duarte, confirma que as obrigações dos superiores vão além de otimizar o trabalho e coordenar as tarefas. “Eles são responsáveis por manter o ambiente agradável e funcional para o serviço. Hoje em dia, há muito medo de ser demitido ou de falhar, então, cabe aos líderes mediar os diálogos e o clima para que as pessoas possam lidar melhor uma com as outras”, esclarece.

Não é apenas durante o expediente que as sensações de desconforto e esgotamento se manifestam. Quando a vida pessoal foge de controle, os problemas podem ser carregados tanto para a empresa quanto para o cotidiano. A coach Ana Paula Barros explica que, antes de tudo, o profissional também sofre pressões na vida privada e a atitude de não prestar atenção a esse aspecto gera um ciclo de danos aos dois mundos. “Inicialmente, alguém que deixa o lado pessoal de escanteio pode parecer mais focado e disposto para a carreira, mas, com o tempo, o aproveitamento cai. Por outro lado, o indivíduo que não se sente realizado profissionalmente tem dificuldades para se sentir pleno na vida pessoal”, analisa.

A experiência de lutar contra o câncer levou Célia Resende, 55 anos, a mudar o comportamento diante do estresse no trabalho. Bancária há 21 anos, ela lembra que era comum perder a calma e o sono diante das pressões na carreira e na vida pessoal, até que, em 2009, o diagnóstico de câncer de mama a levou a repensar as prioridades. “Cinco cirurgias e meses de tratamento me mostraram que eu preciso me reeducar, pois o estímulo negativo era prejudicial para o meu caso. Percebi que precisava fazer algo para que isso não afetasse minha vida no futuro”, diz. Hoje, a bancária investe em exercícios físicos e em caminhadas para aliviar as tensões e manter o equilíbrio emocional. “Em um primeiro momento, posso até me aborrecer, mas meu esforço agora é voltado para não ficar doente nem me prejudicar”, conta.

O exercício físico, além de uma alimentação saudável, também foram algumas das soluções encontradas por Renato Paula da Silva, 36 anos, para lidar com as pressões recorrentes na carreira de medicina. Profissional da área há 14 anos, ele explica que o sofrimento com o estresse era algo corriqueiro e que o atrapalhava em casa e no emprego. “Era comum eu acordar com a sensação de cansaço e ter problemas para me concentrar nas tarefas”, relata. O novo comportamento de Renato logo mostrou resultados positivos. Em cerca de 10 meses, o profissional conseguiu reorganizar os ciclos de sono, e aprimorou o desempenho. “Meu rendimento no trabalho melhorou e até outras pessoas perceberam. Posso dizer que, agora, quase não me irrito, e isso tem sido muito bom”, afirma.

Repensar prioridades

Além de ser um problema comum entre os funcionários, os danos do estresse também podem atingir os cargos de maiores remuneração, como os de chefia. O consultor de gestão de pessoas Eduardo Ferraz lembra que isso é outro reflexo dos novos modelos corporativos do Brasil. “Antes, os cargos de liderança possuam oito níveis de hierarquia. Hoje, a média é de três. Por incrível que pareça, os níveis de estresse de um chefe chegam a ser cinco vezes maior”, descreve. As principais reclamações são as mesmas dos empregados: excesso de trabalho, quantidade elevada de horas na empresa e pouco reconhecimento.

A dica de Ferraz é avaliar o plano de carreira e as opções disponíveis para contornar os danos que o estresse causa ao comportamento no emprego. “Ter um plano B de carreira, algo para ser colocado em ação em dois ou cinco anos, como trabalhar em um cargo menor ou se tornar empreendedor, são alternativas. Entretanto, é preciso lembrar que isso pode envolver diminuição de ganhos”, esclarece o consultor, que reafirma que uma equalização da carga de trabalho é outro ponto essencial para promover o bem-estar no serviço.

“Quando há objetivos claros a serem executados e alinhamento entre as expectativas e as capacidades de cada um, os níveis de estresse caem”
Lucas Nogueira, gerente da divisão de Recrutamento Temporário da Robert Half



Saiba mais
Conhecer para prevenir

As reações ao estresse no trabalho podem variar de pessoa a pessoa. Entretanto, especialistas descrevem que certos aspectos são mais comuns, como lapsos de memória, cansaço maior que o habitual, dificuldades de concentração, irritação por motivos mínimos, dificuldades em se relacionar em casa e com os colegas, desânimo, queda de produtividade e aumento no número de erros. A presidente do Ipom, Myriam Duarte, diz que procurar acompanhamento logo no início desses problemas é a atitude mais correta a ser tomada. “Não deixe o caso piorar, pois, no começo, pode não ser algo muito grave. A ajuda nos primeiros momentos é a mais eficaz”, explica.

Tags:

publicidade

publicidade