SIGA O
Correio Braziliense

Qual é o tempo ideal?

A duração da licença-maternidade varia entre os países, mas muitos ainda estão longe de cumprir os seis meses recomendados pela OIT

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/05/2014 11:58 / atualizado em 11/05/2014 12:00

O tempo da licença-maternidade varia entre os países. A recomendação da Organização Internacional do Trabalho (OIT) é de que esse período seja de pelo menos seis meses. No Brasil, a duração obrigatória é de quatro meses e pode ser estendida para o período recomendado pela OIT caso a mãe trabalhe em uma instituição pública ou privada participante do Empresa Cidadã. O programa oferece descontos nas contribuições obrigatórias à Previdência quando a companhia paga o salário-maternidade por seis meses. A maior parte dos países disponibiliza, por lei, pausa de, no mínimo, 14 semanas, ou três meses e meio. As licenças mais longas — mais de quatro meses e meio — são concedidas por países como Venezuela, Chile e Itália (veja o quadro).

Pausa bem-vinda
Aproveitar a pausa no trabalho para cuidar da carreira é uma das maneiras de a mãe cuidar de si mesma nesse período tão dedicado ao filho que acabou de nascer. “A licença-maternidade é uma boa época para traçar objetivos que envolvam o filho. A mulher pode pensar quais são os planos para cinco, oito anos adiante”, afirma a coach Bibiana Teodori.

Outra opção para quem não quer deixar a profissão de lado durante os cuidados com o filho é trabalhar de casa. “Em ocupações mais comerciais, as empresas podem permitir que as mães trabalhem em esquema de home-office durante a licença-maternidade, se for de desejo delas”, explica a coach Bibiana Teodori. Em pesquisa feita pela consultoria Regus com executivos brasileiros, 62% relataram que mais mulheres estão pedindo para trabalhar remotamente quando retornam ao trabalho após a licença-maternidade. Além disso, 34% dos empresários percebem que as mulheres têm voltado ao trabalho num prazo mais curto — com menos de três meses. A hipótese levantada no estudo é de que o aumento da pressão no ambiente corporativo tenha contribuído para essa situação.

Tags: