SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Para conquistar sua vaga em 2015

Setores como educação, saúde e segurança devem abrir postos no próximo ano. Professores recomendam começar a estudar antes da publicação dos editais, mas é preciso ter paciência: geralmente, os candidatos só são aprovados após dois anos de dedicação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/11/2014 10:03 / atualizado em 19/11/2014 12:25

Juliana Espanhol

Erin Vogel, 24 anos, pretende usar o próximo ano para treinar as matérias básicas cobradas nos certames (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press) 
Erin Vogel, 24 anos, pretende usar o próximo ano para treinar as matérias básicas cobradas nos certames
 
Rodrigo Nunes, 21, e Matheus Augusto, 19: passar no concurso do INSS está nos planos de 2015 (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press) 
Rodrigo Nunes, 21, e Matheus Augusto, 19: passar no concurso do INSS está nos planos de 2015

Rhaissa Aragão, 21, sonha em conquistar uma vaga no TCU. Enquanto a chance não chega, foco está no INSS (Ana Rayssa/Esp. CB/D.A Press) 
Rhaissa Aragão, 21, sonha em conquistar uma vaga no TCU. Enquanto a chance não chega, foco está no INSS

Ainda é novembro, mas os primeiros editais de concursos com provas para o ano que vem já começam a ser publicados. Em comparação com 2014, há previsão de queda na criação de vagas no Projeto de Lei Orçamentária Anual (Ploa) de 2015: o número estimado é 28.957 para o ano que vem, em comparação aos 47.782 neste ano, em uma redução de 39%. Também caiu de 68.172 para 41.244 o número de postos vagos que podem ser preenchidos no próximo ano. De acordo com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), a prioridade do governo é preencher vagas em áreas como saúde, educação, segurança e infraestrutura. Ainda assim, levantamentos como o da Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos (Anpac), prevêem 150 mil postos para o próximo ano, número que inclui estados e municípios.
“Em alguns órgãos, o índice de aposentadoria é muito alto, então será necessário fazer concursos em breve ou o quadro ficará deficitário”, explica Maria Thereza Sombra, diretora executiva da Anpac. Segundo levantamentos da associação, há deficit de mais de 10 mil servidores no Instituto Nacional de Serviço Social (INSS) e de 3 mil na Polícia Federal, para citar alguns exemplos. Na opinião do professor José Wilson Granjeiro, diretor-presidente do grupo Gran Cursos, o concurso do INSS, ainda sem edital publicado, deve ser um dos mais disputados entre as apostas para o próximo ano. “Pelo histórico, o certame dos Correios, se for realizado, deve ser o mais concorrido em 2015. Logo em seguida vem o concurso da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e, em terceiro lugar, o do INSS”, diz.

O último certame para os Correios, realizado em 2011, teve 1,1 milhão de inscritos para pouco mais de 9 mil vagas. No entanto, ainda não há confirmação sobre a realização de novo concurso em 2015. Já em relação à PRF, há mais chances de que o concurso seja realizado no próximo ano, com 1,3 mil vagas para o cargo de policial rodoviário federal, uma vez que a autorização já está prevista no anexo V do Ploa de 2015. O INSS solicitou 4.730 vagas, sendo 2 mil para técnico de seguro social, 1.580 para analista do seguro social e 1.150 para médicos peritos.
Granjeiro recomenda começar a estudar antes mesmo da publicação dos editais. “Quando ainda não se tem o edital, a dica é procurar o do último concurso. Normalmente, há mudanças em 10% a 20% do texto, então é possível estudar pelo menos as matérias básicas”, orienta. O professor e coordenador do IMP Concursos, Anderson Ferreira, concorda. “É preciso ter planejamento de estudos, não dá para começar a estudar só depois da publicação do edital. O período entre o edital e a prova deve ser usado para revisão”. Segundo o professor, os candidatos levam em média dois anos para obter aprovação em concursos.

Expectativas

Ainda sem um plano definido, Erin Vogel, 24 anos, pretende usar o próximo ano para treinar nos concursos. Graduada em psicologia, ela começou a estudar para os certames em janeiro e atualmente faz um cursinho com as matérias mais cobradas nas provas. “Por enquanto, pretendo fazer várias provas para me habituar ao estilo das avaliações. Mas se pudesse escolher um concurso para passar, gostaria de ser aprovada no Tribunal de Justiça, tanto pela área de interesse quanto pelo salário”, explica. Para Rhaissa de Aragão, 21, o sonho é passar num concurso de nível superior do Tribunal de Contas da União (TCU). Enquanto a oportunidade não chega, a estudante de direito se prepara para o concurso de nível médio do INSS. “Já fiz outros concursos antes, mas esta é a primeira vez que estou realmente me dedicando aos estudos. Estou focando nesse agora porque tem muitas vagas e é de nível médio”, diz.

As 2 mil vagas para nível médio do Instituto Nacional do Serviço Social também estão nos planos de Rodrigo Nunes, 21, e Matheus Augusto, 19. Rodrigo trancou a faculdade de engenharia para estudar para concursos há dois anos e pretende alcançar estabilidade financeira antes de concluir o ensino superior. “Como estudo há bastante tempo, sei bem das matérias básicas”, diz. Estudando para concursos há quatro meses, Matheus pretende fazer várias provas no ano que vem como treinamento. “Estou fazendo cursinho para o concurso do INSS pela manhã e também reviso as matérias à tarde”, diz.
Para aqueles que desejam começar a estudar, o professor José Wilson Granjeiro tem algumas dicas sobre as matérias básicas. “A maioria dos exames cobra direito constitucional e administrativo, português, redação, informática e raciocínio lógico. Para os exames do DF, é importante estudar questões como a Lei Orgânica do Distrito Federal”, recomenda. No caso das seleções com foco administrativo, como devem ser a do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e a do TCU, o professor Anderson Ferreira propõe outro foco. “Nesses concursos, as matérias de administração financeira e orçamentária, administração geral e direito administrativo costumam ter peso maior”, garante. 


Publicado

Defensoria Pública da União (DPU)

O DPU liberou edital como 58 vagas para Defensor Público Federal de Segunda Categoria no início do mês. Subsídio: R$ 16.489,37. Inscrições de 17 de novembro a 9 de dezembro pelo site www.cespe.unb.br//concursos/dpu_14_defensor/. Taxa: R$ 180. Prova objetiva: 7 de fevereiro de 2015.

Tags:

publicidade

publicidade