Pai de menino sírio afogado relata os momentos de desespero no mar

"Tentei nadar em direção a eles, mas não os encontrei", conta Abdallah, pai e único sobrevivente da família

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/09/2015 14:15 / atualizado em 03/09/2015 14:41

AFP PHOTO/OZAN KOSE


Abdallah Kurdi, pai de Aylan, menino sírio de três anos que foi encontrado morto em uma praia na Turquia, e cuja foto comoveu o mundo, contou como que toda a tragédia ocorreu. O menino morreu afogado na quarta-feira (2/9) após o naufrágio de uma embarcação de refugiados sírios.

Abdallah foi o único que conseguiu sobreviver de toda família que estava na embarcação. Aylan, o irmão Ghaleb, de 5 anos, e a mãe Rihanna não resistiram ao naufrágio. Muito emocionado, o pai relata os momentos de desespero no mar, "meus filhos escorregaram de minhas mãos. Estava escuro e todo mundo gritava. Foi por isso que minha esposa e meus filhos não escutaram minha voz. Tentei nadar em direção a eles, mas não os encontrei”.

Segundo ele, a família pagou duas vezes para atravessar da Turquia para a ilha grega de Kos. “Numa delas, os guardas nos pararam. Aí fomos libertados. Da segunda vez, os organizadores não cumpriram com a promessa e não trouxeram o barco. Então, conseguimos um barco por nossos próprios meios", relatou à agência de notícias turca Dogan.

O barco, no entanto, naufragou. "Depois de navegarmos 500 metros, começou a entrar água no barco. Nossos pés ficaram molhados. Criou-se um pânico, e quando as pessoas tentaram ficar de pé, a situação piorou", contou.

Leia mais notícias em Mundo

Só após desembarcar em terra firme que Abdallah teve notícia da família. Ele foi até os hospitais para onde os corpos foram levados e lá foi informado da morte dos dois filhos e da esposa. Os corpos serão encaminhados para a cidade síria de Kobane, onde serão enterrados nas próximas 48 horas.

AFP PHOTO/OZAN KOSE


Aylan, o irmão e os pais moravam em Damasco quando o país entrou na crise e na guerra em 2011. Em 2012 deixaram a cidade e foram para Aleppo e, quando os combates começaram, partiram para Kobane. Mas a cidade curda foi alvo do grupo jihadista Estado Islâmico (EI), que tentou, em vão, conquistá-la no outono de 2014, repelidos pela forte resistência.

A família migrou então para a Turquia e, assim que o cerco a Kobane pelo EI terminou em janeiro, retornaram para a cidade, esperando dias mais tranquilos. Mas, em junho, os jihadistas lançaram uma nova ofensiva contra Kobane, onde os combates fizeram mais de 200 mortos.

Tentaram migrar para o Canadá com a ajuda de uma tia que vive no país. Teema Kurdi, que reside em Vancouver há 20 anos, disse que entrou com um pedido de imigração na condição de refugiado para o irmão, a cunhada e as duas crianças. "Tentei servir de avalista, com ajuda de amigos e vizinhos, para as garantias bancárias, mas não conseguimos", explicou Kurdi ao jornal Ottawa Citizen.

O serviço de imigração canadense rejeitou o pedido de refúgio em junho, segundo Kurdi, devido à complexidade dos pedidos de asilo procedentes da Turquia. Consultado a respeito, o secretário de Imigração canadense, Chris Alexander, afirmou que o número de refugiados aumenta rapidamente e que cerca de 2,5 mil refugiados sírios foram acolhidos pelo Canadá este ano.

Depois de ter o pedido de imigração negado, a família tentou fugir pelo mar. Na travessia, a embarcação naufragou e todos, menos Abdallah, morreram afogados. As embarcações tinham saído da cidade turca de Bodrum com destino à ilha grega de Kos, porta de entrada da União Europeia.

AFP PHOTO/OZAN KOSE


A guarda costeira turca foi alertada por gritos de passageiros dos barcos e conseguiram resgatar os corpos de 12 pessoas, entre eles o do pequeno Aylan, que estava de bruços na praia da Turquia. A cena foi fotografada e gerou comoção no Canadá e na Europa, trazendo uma pressão crescente para gerenciar a chegada de milhares de refugiados ao continente.

A fotografia de um agente turco carregando o menino foi divulgada por meios de comunicação e pelas redes sociais com a hashtag #KiyiyaVuranInsanlik (A humanidade é um fracasso, em turco).

No naufrágio morreram cinco menores e sete adultos. Outras 15 pessoas foram resgatadas.

AFP PHOTO / DOGAN NEWS AGENCY= TURKEY OUT =
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.
 
Tânia
Tânia - 04 de Setembro às 16:51
Sentimento tardio não salva mais pode sim se tornar uma lição para uma nação que enfrenta tanta violência por nada e derramam tanto sangue. Até quando?
 
Wesley
Wesley - 03 de Setembro às 20:15
Deus deve estar muito indignado com tudo isso, e contando o tempo desta civilização na terra com o retorno do grande juízo.
 
Leomar
Leomar - 03 de Setembro às 16:09
Boa tarde! Acho essa cena muito forte e trágica! Realmente o mundo está se perdendo, mas tenho esperanças que um dia possa melhorar!