SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Acordo UE-Cuba implicará 'mais 50 anos de ditadura', afirma dissidente

"Os países da Europa dizem que com os terroristas não se negocia e eu lhes digo que com os bandidos há que negociar com cuidado", alertou Guillermo Fariñas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 12/10/2016 16:13

O acordo de diálogo político com Cuba, que a União Europeia busca fechar antes do final do ano, representará "mais 50 anos de ditadura" na ilha, disse nesta quarta-feira (12/10) à AFP o dissidente cubano Guillermo Fariñas, antes de comparecer à comissão de direitos humanos da Eurocâmara.

Fariñas, de 54 anos, foi convidado a expôr sua visão da situação em Cuba diante da comissão de direitos humanos do Parlamento Europeu, uma instituição que lhe concedeu em 2010 o prêmio Sakharov por sua luta pelas liberdades.

"Em Cuba não mudou nada, e se mudou foi para pior", assegura este psicólogo de profissão, para quem o acordo entre os 28 e Havana significaria que Cuba "tem que se preparar para mais 50 anos de ditadura".

 

Leia mais notícias em Mundo

 

"Os países da Europa dizem que com os terroristas não se negocia e eu lhes digo que com os bandidos há que negociar com cuidado", alertou Fariñas, para quem as ajudas e investimentos da UE poderão acabar nas mãos das elites que controlam o país.

"Para o berço da democracia [Europa], isso é inadmissível. Fazer negócios sem direitos humanos é escravidão", disse.  

"O povo de Cuba confia na UE, nos países europeus e em todos os cidadãos europeus para que os cubanos tenham os mesmos direitos e liberdades que se desfruta na Europa", acrescentou.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade