SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Trégua decretada pela Rússia em Aleppo se aproxima do fim

A "pausa humanitária", em vigor desde quinta-feira, deve terminar às 19h (14h de Brasília) deste sábado

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/10/2016 10:51

France Presse

Síria - A trégua humanitária decretada pela Rússia na cidade síria de Aleppo expira neste sábado (22/10), apesar de apenas alguns poucos civis e rebeldes terem conseguido abandonar os bairros insurgentes da zona leste da localidade, cercados pelas forças do governo.

A ONU considerou que as condições de segurança eram insuficientes para retirar os feridos. A "pausa humanitária", em vigor desde quinta-feira, deve terminar às 19h (14h de Brasília) deste sábado, de acordo com o ministério russo da Defesa.

Os oito corredores abertos para permitir a passagem de civis e milicianos a partir da área rebelde, onde vivem quase 250.000 pessoas, permanecem desertos. O governo de Bashar al-Assad e a Rússia, acusados de cometer "crimes de guerra" em Aleppo, suspenderam na terça-feira uma ofensiva iniciada em 22 de setembro para conquistar os bairros rebeldes.

Os intensos bombardeios na zona leste de Aleppo deixaram pelo menos 500 mortos e 2.000 feridos, segundo a ONU, que também indicou a destruição de infraestruturas civis, em particular hospitais.

Na manhã de sábado, o corredor de Bustan al-Qasr estava deserto, assim como na sexta-feira e quinta-feira. "Até agora ninguém saiu pelos corredores", confirmou à AFP o diretor da ONG Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), Rami Abdel Rahmane.

"Integrantes dos comitês populares civis da zona governamental entraram nos bairros rebeldes para tentar retirar feridos, mas não conseguiram", completou. As autoridades russas e a imprensa estatal síria acusaram os rebeldes de impedir que as pessoas abandonem a região.

 

Leia mais notícias em Mundo
 

Os rebeldes recorreram a "ameaças, chantagem e força bruta" para bloquear os corredores, afirmou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguei Lavrov. A ONU, que pretendia retirar feridos na sexta-feira, adiou a operação por não constatar garantias sobre as condições de segurança.

Ao mesmo tempo, no entanto, pediu à Rússia que prolongue a trégua até a noite de segunda-feira. De acordo com a ONU, 200 pessoas feridas ou doentes devem ser retiradas de forma urgente dos bairros rebeldes. Apenas oito rebeldes feridos e sete civis passaram pelos corredores humanitários, informou na sexta-feira o general Serguei Rudskoi, do Estado-Maior russo.

Aleppo, que já foi a capital econômica da Síria, virou o símbolo da guerra que devasta o país desde março de 2011 e que já provocou mais de 300.000 mortes. A cidade está dividida desde 2012 entre os bairros da zona oeste sob controle do governo e os bairros da zona leste dominados pelos rebeldes, completamente cercados pelas tropas sírias desde julho.

Na sexta-feira foram registrados combates esporádicos e disparos de obuses na periferia de Aleppo, de acordo com o OSDH. "O regime e os rebeldes reforçaram suas posições, o que provoca o nosso temor, no caso de fracasso do cessar-fogo, de uma grande operação militar", advertiu Abdel Rahmane.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade