SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Parlamento venezuelano abre procedimento para julgamento contra Maduro

O presidente é acusado de favorecer a ruptura democrática com a suspensão do referendo revogatório

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 25/10/2016 16:14 / atualizado em 25/10/2016 17:52

Agência Estado

Caracas, Venezuela - O Parlamento da Venezuela, de maioria opositora, aprovou nesta terça-feira iniciar um procedimento com vistas a um "julgamento político e penal" contra o presidente Nicolás Maduro, acusado de favorecer a ruptura democrática com a suspensão do referendo revogatório.

Acorda-se "votar a abertura do procedimento contra Nicolás Maduro (...) e que a comissão prepare o início ao estudo de responsabilidade penal, responsabilidade política e abandono do cargo", diz a resolução aprovada após um debate sobre a "situação constitucional da Presidência".

A Assembleia Nacional - à qual o Tribunal Supremo de Jutiça (TSJ) declarou em "desacato" - citou Maduro na próxima terça-feira "para que se submeta ao escrutínio do povo".

Leia mais notícias em Mundo


O julgamento político não está estipulado na Constituição venezuelana, mas sim a figura de abandono do cargo, que segundo juristas se tipifica quando o chefe de Estado deixa de cumprir as funções para as quais foi eleito.

As decisões do legislativo fazem parte de uma ofensiva anunciada no domingo passado pela maioria opositora contra o presidente socialista, a quem acusam de ter propiciado a ruptura do fio constitucional.

Isto, a partir da decisão do poder eleitoral de suspender, na semana passada, o processo para um referendo revogatório contra Maduro, impulsionado pela coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD).

O TSJ considera que as decisões do Parlamento carecem de validade legal por se encontrar em situação de "desacato", após empossar três deputados cuja eleição a Justiça suspendeu no âmbito de uma ação de fraude, apresentada pelo chavismo.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade