SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Líbano constrói muro perto de campo de refugiados palestinos

O lotado e empobrecido campo de Ain al Hilweh, perto da cidade costeira de Sidon (sul), ficou famoso nos últimos anos por se tornar um refúgio de muçulmanos extremistas e foragidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 21/11/2016 22:38

O Líbano constrói um muro perto do maior campo de refugiados palestinos do país para evitar que extremistas islâmicos se infiltrem ali, informou uma fonte militar nesta segunda-feira (21/11).
 
 
O lotado e empobrecido campo de Ain al Hilweh, perto da cidade costeira de Sidon (sul), ficou famoso nos últimos anos por se tornar um refúgio de muçulmanos extremistas e foragidos.

O local também foi cenário de combates sangrentos entre o grupo islamita Jund al Sham e membros do movimento Fatah, do presidente Mahmud Abbas. 

Em setembro, o exército anunciou a detenção no campo de um refugiado palestino suspeito de ter vínculos com o grupo Estado Islâmico (EI). 

"A construção do muro começou tempos atrás e seu objetivo é impedir que terroristas se infiltrem no campo de Ain al Hilweh [vindos] de campos vizinhos", disse uma fonte do exército nesta segunda-feira.

"É uma medida de segurança", tomada após a detenção de "terroristas fugitivos" que teriam se refugiado no campo, acrescentou.

Imagens publicadas há dias nas redes sociais mostram a colocação progressiva de grandes blocos de cimento a oeste de Ain al Hilweh, o maior campo de refugiados dos 12 que o Líbano abriga.

Para Fuad Othman, militante que vive no campo, este muro é um insulto para os refugiados palestinos, que o comparam com o que Israel constrói na Cisjordânia ocupada.

Alguns libaneses mostraram sua indignação nas redes sociais. "Em breve, as crianças de Ain al Hilweh farão desenhos sobre a Palestina e a liberdade no muro da vergonha", escreveu um deles.

Mais de 61.000 refugiados palestinos vivem em Ain al Hilweh, inclusive 6.000 que fugiram da guerra na Síria, segundo a ONU.
 
Por France-Presse 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade