SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Milhares querem que a rainha Elizabeth banque a reforma de Buckingham

O pedido, dirigido ao ministro das Finanças Philip Hammond, argumenta que "a Coroa e suas propriedades deveriam financiar suas próprias reformas"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/11/2016 11:02 / atualizado em 22/11/2016 14:30

Gareth Fuller/AFP
Londres, Reino Unido - Cerca de 130 mil pessoas já assinou um manifesto para que a rainha Elizabeth II, e não o Estado, pague de seu bolso a reforma do palácio londrino de Buckingham, avaliada em 450 milhões de dólares.

O pedido, dirigido ao ministro das Finanças Philip Hammond, argumenta que "a Coroa e suas propriedades deveriam financiar suas próprias reformas". "Há uma grave crise nacional na moradia, a saúde pública está em crise, a austeridade orçamentária obriga a cortar serviços essenciais. Agora a família real espera que façamos um esforço adicional para restaurar o Palácio de Buckingham", afirmou o escritor Mark Johnson, que lançou a iniciativa.

O governo anunciou semana passada o projeto de reforma do antigo palácio, a residência da rainha em Londres, que deverá durar uma década e servirá para fazer novas instalações elétricas e de tubulação, assim como colocação de painéis solares. O governo pediu ao parlamento a aprovação do orçamento de 458 milhões de dólares para as obras, aumentando a parte que a família real recebe do Patrimônio da Coroa (Crown Estate), que administra as propriedades reais, dos 15% atuais a 25%.

A última grande crise da monarquia britânica ocorreu em 1992, o "annus horribilis", nas palavras da rainha, quando a opinião pública se voltou contra ela por temor que o Estado custeasse a reforma do castelo de Windsor depois de um grande incêndio que danificou mais de cem cômodos.

A rainha acabou pagando 70% dos gastos mediante a abertura ao  público para visitação ao palácio de Buckingham pela primeira vez.
 
Por France Presse 

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade