SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

EUA cita francês ligado ao EI como suspeito de atentados de Paris

O Departamento informou que foram encontrados 300 nomes fortes do grupo Estado Islâmico de "terroristas europeus estrangeiros da célula combativa" e que supostamente ajudaram no plano dos atentados

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 22/11/2016 18:56


Washington, Estados Unidos - Os Estados Unidos nomearam um francês veterano da Legião Estrangeira como suspeito de planejar os sangrentos ataques em Paris e Bruxelas.

O Departamento de Estado americano acrescentou Abdelilah Himich, também conhecido como Abu Suleiman Al-Faransi, à sua lista de "nomes especiais de terroristas globais".

O Departamento informou que foram encontrados 300 nomes fortes do grupo Estado Islâmico de "terroristas europeus estrangeiros da célula combativa" e que supostamente ajudaram no plano dos atentados.

Oficiais americanos e franceses descreveram Himich como um homem de 27 ou 28 anos, nascido no Marrocos, com cidadania francesa e que serviu durante seis meses na Legião Estrangeira Francesa.

Leia mais notícias em Mundo


Em novembro de 2015, islâmicos atacaram a casa de espetáculos Bataclan em Paris, dispararam contra cafeterias e explodiram uma bomba do lado de fora de um estádio.

No total, 130 pessoas morreram e centenas ficaram feridas.

Em março, homens-bomba atacaram o aeroporto de Bruxelas e uma estação do metrô, matando 32 pessoas.

De acordo com o Departamento de Estado, Himich ajudou a planejar estes ataques, assim como providenciou homens para lutar em operações do Estado Islâmico no Iraque e na Síria.

Outro nome adicionado à lista foi de Adbullah Ahmed al-Meshedani por supostamente abrigar combatentes, respondendo ao líder do EI, Abu Bakr al-Baghdadi.

Basil Hassan foi mais um nome acrescentando, acusado de atirar e ferir Lars Hedegaard, um holandês historiador de 70 anos, em fevereiro de 2013.

Por France Presse
Tags: ei eua paris

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade