SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Fidel Castro governou Cuba entre o megaplano e a micro-administração

Durante meio século, ele aprovou de uma campanha maciça para eliminar o analfabetismo em um ano até quantos gramas de café cada cubano devia consumir por dia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 26/11/2016 17:05 / atualizado em 26/11/2016 17:20

AFP / CUBADEBATE / SILVIO RODRIGUEZ
 
 
Com a "micro-administração" e o "megaplano", Fidel Castro aprovou durante meio século, em Cuba, de uma campanha maciça para eliminar o analfabetismo em um ano a uma safra de açúcar milionária até quantos gramas de café cada cubano devia consumir por dia.


Seus detratores, ao contrário, o acusaram de "voluntarismo", pois embora tenha obtido vitórias consistentes, como a campanha de alfabetização de 1961, também teve sonoros fracassos, como a safra de 1970, quando mobilizou todo o país a aumentar a produção açucareira de 7 a 10 milhões de toneladas e só conseguiu chegar a 8,1 t.


Um país à imagem de Fidel

Um núncio apostólico o ensinou a fazer comida italiana e mostrou-lhe seus valores energéticos. Cuba, então, encheu-se de pizzarias, graças a um fornecimento de trigo soviético e, mesmo agora, sem trigo barato, a pizza continua sendo o "fast-food" nacional.

Nos anos 1990, depois de seus primeiros problemas de saúde, tornou-se amante dos vegetais e do chocolate. Discotecas e restaurantes se tornaram vegetarianos e a caderneta de abastecimento adicionou alguns gramas de cacau em pó ("chocolatín") que, apesar de ser subsidiado, era um produto caro para a população.

Em todas as partes da ilha havia um "Plan Fidel": centros de experimentação onde o comandante mandava criar búfalos vietnamitas ou reprodutores holandeses, fabricar queijos em estilo francês e, inclusive, o modesto whisky Old Havana na terra de um dos melhores runs do mundo.

Seu amigo, o prêmio Nobel de Literatura colombiano Gabriel García Márquez, falecido em 2014, dizia que Fidel era incapaz de gerar uma ideia que não fosse "descomunal" e que não havia um projeto "colossal ou milimétrico", no qual não se empenhasse "com uma intensa paixão".

Do mega ao micro

Qualquer assunto em Cuba era posto sob sua consideração, o que os analistas da Agência Central de Inteligência (CIA) dos Estados Unidos chamavam "micro-administração", denominação que o fazia rir.

Um veterano opositor que tinha pedido permissão temporária para sair do país a um escritório de imigração ficou atônito quando o comandante-em-chefe mencionou diante das câmeras de televisão que o documento estava há vários dias em seu escritório, aguardando sua aprovação.

Seu último megaplano, antes de passar o poder ao seu irmão, Raúl, em 2006, chegou com sua respectiva micro-administração: em sua "revolução energética" enviou milhares de trabalhadores sociais às casas da ilha substituir milhões de antigos eletrodomésticos soviéticos por chineses e lâmpadas incandescentes por outras mais econômicas.

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade