SIGA O
Correio Braziliense

publicidade

Inglaterra:descoberta fossa comum fora de Londres de vítimas da peste negra

Os esqueletos de 48 pessoas, entre elas 27 crianças, foram encontrados perto do hospital de um mosteiro do século XIV na Abadia de Thornto, no condado de Lincolnshire (leste da Inglaterra)

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/11/2016 16:51

Londres, Reino Unido -Arqueólogos descobriram a primeira grande fossa comum britânica situada fora de Londres com vítimas da grande "peste negra" que matou metade da população inglesa no século XIV, anunciou na quarta-feira a Universidade de Sheffield.

Os esqueletos de 48 pessoas, entre elas 27 crianças, foram encontrados perto do hospital de um mosteiro do século XIV na Abadia de Thornto, no condado de Lincolnshire (leste da Inglaterra).

"As duas únicas fossas comuns de vítimas da peste bubônica identificadas até hoje estavam em Londres", explicou Hugh Willmott, do departamento de Arqueologia da Universidade de Sheffield, que dirigiu as escavações, em declarações publicadas no site da instituição.

"A descoberta de um sepultamento em massa anteriormente desconhecido e completamente inesperado que data desse período em um canto tranquilo do Lincolnshire rural é até agora único e esclarece as reais dificuldades enfrentadas por uma pequena comunidade mal preparada para lidar com uma ameaça tão devastadora", afirma Willmott.

Os arqueólogos sabem de que maneira a peste afetou Londres, mas têm poucas informações sobre como a epidemia atingiu o campo, e esta descoberta demonstra que os povoados também tiveram que alterar suas rotinas funerárias e lidar com grandes quantidades de vítimas ao mesmo tempo.

A peste negra, transmitida principalmente por ratos, provocou uma das piores epidemias da história, matando entre 75 e 200 milhões de pessoas na Europa no século XIV, três milhões delas na Inglaterra, que tinha então uma população de seis milhões de habitantes.

France Presse

publicidade

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.

publicidade