Homem e mulher apedrejados por adultério por "islamitas" no Mali

Esta é a primeira vez desde 2012 que acontece um caso similar no Mali

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 17/05/2017 11:15

Bamako, Mali - Um homem e uma mulher foram apedrejados na região de Kidal, no extremo norte do Mali, por "islamitas" que os criticavam por sua vida em concubinato, sem obedecer a "lei muçulmana", afirmaram nesta quarta-feira as autoridades locais. O apedrejamento aconteceu em Taghlit, uma localidade situada entre Aguelhoc e Tessalit, informou uma fonte do governo local. Esta é a primeira vez desde 2012 que acontece um caso similar no Mali.
 
 
Conforme a fonte, "o casal foi preso por islamitas", que "afirmaram que eles haviam violado a lei islâmica e deveriam ser apedrejados. E foi o que eles fizeram". "Os islamitas cavaram na terça-feira dois buracos em que colocaram o homem e a mulher, que viviam juntos sem estarem casados oficialmente. Os dois foram apedrejados até a morte", declarou outra autoridade local contactada por telefone.

De acordo com as informações, "quatro pessoas jogaram as pedras". Não há informações sobre a identidade dos "islamitas" ou do grupo ao qual pertencem. Muitos grupos de extremistas islâmicos, assim como de traficantes de drogas, contrabandistas e criminosos, estão presentes no norte do Mali. Uma fonte das forças de segurança do Mali, contactada pela AFP, disse simplesmente ter "sido informado sobre a lapidação de um homem e de uma mulher na terça-feira na região de Kidal por terroristas, que os acusados %u200B%u200Bde ter relações sexuais fora do casamento".

O norte do Mali caiu entre março e abril de 2012 nas mãos de grupos jihadistas ligados à Al-Qaeda durante uma rebelião tuaregue. Os extremistas foram em grande parte expulsos da região por uma intervenção militar internacional lançada em janeiro de 2013, por iniciativa da França, e que ainda continua. No entanto, áreas inteiras ainda escapam do controle das forças militares, francesas e da ONU.

No final de julho de 2012, quando os jihadistas ainda controlavam o norte do Mali, membros do grupo Ansar Dine apedrejaram publicamente em Aguelhoc um homem e uma mulher que tiveram filhos sem serem casados. Em setembro de 2012, cinco homens acusados %u200B%u200Bde roubo foram amputados por outro grupo extremista, o Mujao, em Gao (nordeste). Outros casais julgados "ilegítimos", homens acusados de beber álcool, de fumar ou roubar, foram espancados em público por extremistas em várias cidades do país.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.