Bruxelas quer mobilizar mais de 5 bilhões de euros para defesa na UE

A Europa deve tomar o seu destino "nas próprias mãos", disse no final de maio a chefe de Governo alemão, Angela Merkel

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/06/2017 10:47 / atualizado em 07/06/2017 10:59

Bruxelas - A Comissão Europeia propôs nesta quarta-feira um fundo comum para pesquisa e desenvolvimento militar, com o qual busca mobilizar mais de cinco bilhões de euros depois de 2020, em um contexto de preocupação sobre o apoio de seu principal aliado transatlântico, os Estados Unidos.

"Aqui há uma questão política e militar. Do ponto de vista político, o que podemos fazer é pedir a nossos amigos americanos que mantenham o compromisso no cenário global", disse a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini, durante a apresentação da criação do fundo.

Reforçar a segurança e a defesa é uma das prioridades da União Europeia (UE), que enfrenta uma série de atentados extremistas e a maior crise migratória desde a Segunda Guerra Mundial, para o futuro do bloco sem o Reino Unido.

A Europa deve tomar o seu destino "nas próprias mãos", disse no final de maio a chefe de Governo alemão, Angela Merkel. E trabalhar por uma "autonomia estratégica" em defesa parece o mais adequado, segundo as palavras do presidente da Comissão, Jean-Claude Juncker.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que urgiu a seus aliados da Otan que gastassem mais em defesa, se negou a confirmar publicamente, durante uma reunião de cúpula no mês passado, o compromisso de Washington com a defesa mútua da Aliança.

Entretanto, o processo de saída já iniciado por um dos países mais reticentes a uma maior cooperação militar, o Reino Unido, e que pode ser efetivado em março de 2019, possibilita uma maior facilidade na realização destes projetos, de acordo com diplomatas europeus.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.