Autores de ataque no centro de Londres usaram cintos explosivos falsos

Os contos eram feitos de garrafas plásticas de água embrulhadas em fita adesiva

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 11/06/2017 11:46

AFP / Ben STANSALL

 

Os autores do ataque terrorista no centro de Londres usaram cintos de explosivos falsos para criar enquanto executavam seu plano, disse a polícia neste domingo. A polícia metropolitana londrina divulgou fotografias dos cintos, feitos de garrafas plásticas de água embrulhadas em fita adesiva.



Os agressores Khuram Butt, Rachid Redouane e Youssef Zaghba usaram os cintos enquanto atropelavam os pedestres na London Bridge e esfaqueavam pessoas nas proximidades

Borough Market no último dia 3 de junho. Eles mataram oito pessoas antes de serem mortos a tiros pela polícia.

O comandante da polícia Dean Haydon afirmou que o trio pode ter usado os cintos porque planejava fazer reféns, "ou pode ser que eles viram isso como uma proteção contra um tiroteio".

Geoff Ho, jornalista do Sunday Express que foi esfaqueado no ataque, descreveu no jornal como tentou impedir que os agressores entrassem num bar cheio de pessoas. Ho disse que "os olhos deles estavam cheios de raiva" e ele temia que estivessem prestes a explodir. "Eu não poderia apenas atacar", escreveu. "Se eu os alcançasse, talvez pudesse retirar um ou dois deles, mas um desses animais poderia detonar e matar todos." Ho foi esfaqueado na garganta por Butt. Ele creditou a seu treinamento em artes marciais a capacidade de lutar o suficiente para evitar ser morto.

A polícia ainda está pedindo que testemunhas se apresentem e relatem o que viram, pois podem dar detalhes sobre o ataque. A avaliação inicial é de que o trio pode ter planejado uma carnificina ainda pior. Butt tentou alugar um caminhão de 7,5 toneladas, mas seu pagamento foi recusado e ele acabou alugando uma van menor. Foram encontradas bombas com gasolina no veículo

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.