126 imigrantes estão desaparecidos após naufrágio no Mediterrâneo

O motor do barco inflável que levava os imigrantes foi roubado, os deixando à deriva

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 19/06/2017 16:21

Pelo menos 126 imigrantes estão desaparecidos após o naufrágio de uma embarcação na costa da Líbia, declarou nesta segunda-feira (19/6) à AFP um porta-voz da Organização Internacional de Migração (OIM). 
 
 
De acordo com o depoimento de quatro sobreviventes do grupo de 130 imigrantes, dentre os quais vários sudaneses, eles haviam embarcado na Líbia na última quinta-feira, num barco inflável. A embarcação naufragou após algumas horas no mar. 

Os quatro sobreviventes, dois sudaneses e dois nigerianos, foram resgatados por pescadores líbios, afirmou Flavio Di Giacomo, porta-voz da OIM. 

Poucas horas após deixarem a costa, o barco foi interceptado por traficantes que roubaram o motor da embarcação. "Rapidamente, o barco já sobrecarregado começou a encher de água e afundar", disse Di Giacomo, citando o relato dos sudaneses que a OIM contatou. 

Após serem resgatados pelos pescadores, os sobreviventes não foram levados de volta à costa da Líbia, mas entregues à outra embarcação que também transportava imigrantes e passava por aquela rota, afirmou o porta-voz da OIM. 

Di Giacomo disse que a organização conseguiu confirmar o relato dos quatro sobreviventes comparando com o de outros imigrantes que estavam na segunda embarcação. Esta foi socorrida graças à intervenção da guarda costeira italiana. Todos os imigrantes foram levados ao porto de Palermo, na Sicília, onde chegaram nesta segunda-feira ao lado de outras mil pessoas resgatadas nos últimos dias.  

A OIM participa da chegada de imigrantes aos portos italianos e esteve com os sobreviventes sudaneses, que contaram sobre a tragédia no Mediterrâneo. 

Desde janeiro de 2017, 1.828 pessoas morreram tentando atravessar o Mediterrâneo em busca de um futuro melhor, segundo os últimos cálculos da Organização das Nações Unidas (ONU). 

Ao todo, mais de 65 mil pessoas, dentre as quais milhares de mulheres e crianças, desembarcaram desde o começo deste ano na costa italiana. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.