Trump diz que ex-diretor do FBI tentou pressioná-lo com relatório

Trump contou que as agências de inteligência americanas entendiam que houve uma ingerência russa nas eleições para ajudá-lo a derrotar a democrata Hillary Clinton

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/07/2017 08:18 / atualizado em 20/07/2017 08:27

 Saul Loeb/ AFP - 19/7/2017
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, acusou nesta quarta-feira (19/7) o ex-diretor do FBI James Comey de tentar pressioná-lo com um relatório que supostamente teria informações comprometedoras sobre ele. 

O objetivo de Comey, que se encontrou com Trump antes de sua posse, era pressionar o futuro presidente a mantê-lo na direção do Bureau Federal de Investigações (FBI), afirmou o líder americano em entrevista ao The New York Times. 

Trump contou ao jornal que duas semanas antes de sua posse, em janeiro passado, Comey e outros funcionários lhe informaram, em Nova York, que as agências de inteligência americanas entendiam que houve uma ingerência russa nas eleições para ajudá-lo a derrotar a democrata Hillary Clinton. 


Segundo o presidente, Comey lhe disse em separado - mais tarde - que o relatório baseado em informações de um ex-espião britânico continha detalhes embaraçosos sobre ele, incluindo afirmações infundadas de que os russos possuíam vídeos de Trump com prostitutas. 

Trump disse ao jornal que entendeu que Comey citou o relatório para sugerir que tinha algo contra ele. "Na minha opinião, compartilhou a informação para mostrar o que tinha".  Perguntado se Comey estava tentando obter vantagem com isto, o presidente respondeu: "sim, acredito que sim". 

Em depoimento no Congresso, Comey contou que conversou com Trump sobre o documento para que o magnata não fosse pego de surpresa quando a informação viesse à tona. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.