Distúrbios em greve na Venezuela deixam um morto e três feridos

Várias ruas foram bloqueadas com barricadas, lojas fecharam e os ônibus não circularam em Caracas e em outras cidades importantes do país

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 20/07/2017 18:23 / atualizado em 20/07/2017 19:49

Dois jovens - de 23 e 24 anos - morreram e outras nove pessoas ficaram feridas durante os protestos desta quinta-feira em meio à greve convocada pela oposição contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e sua Assembleia Constituinte, informou a Procuradoria.
 

Uma das vítimas foi identificada como Ronney Tejera, 24, que participava de uma manifestação no bairro de Los Teques, em Caracas, quando foi "atingido por arma de fogo, ação que provocou sua morte imediata", segundo a Procuradoria, que não identificou os responsáveis.

Na cidade de Valencia (norte), Andrés Uzcátegui, 23 anos, morreu durante "uma manifestação" na localidade de La Isabelica, em um confronto que deixou ainda seis feridos, segundo a Procuradoria.

Desde o início da atual onda de protestos contra Maduro, no dia 1º de abril, 99 pessoas morreram e milhares ficaram feridas.

Durante a greve desta quinta-feira, ocorreram confrontos entre manifestantes que bloqueavam as ruas com barricadas e as forças de segurança, que utilizaram bombas de gás lacrimogêneo e tiros de cartucho para dispersar os protestos.

Em Los Ruices (leste de Caracas), manifestantes atiraram pedras em funcionários do canal estatal de televisão VTV e queimaram uma cabine da polícia.

Também ocorreram confrontos nos subúrbios leste e oeste da capital, assim como nos Estados de Zulia (noroeste), Aragua (centro) e na Ilha Margarita.

Segundo Alfredo Romero, diretor da ONG Fórum Penal, a greve desta quinta-feira deixou ao menos 82 detidos, sendo 51 em Zulia.

Em Caracas e em outras cidades do país, muitos cruzaram os braços na greve de 24 horas, que começou às 06H00 local (07H00 Brasília).

Várias ruas foram bloqueadas com barricadas, lojas fecharam e os ônibus não circularam em Caracas e em outras cidades importantes do país.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.