FMI dá receita para recuperar a economia americana

Apesar de ter mantido a previsão de expansão da economia mundial em 3,5% neste ano e 3,6% no ano que vem, reduziu a estimativa americana: 2,1% em 2017 e 2018.

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 27/07/2017 16:01

O Fundo Monetário Internacional (FMI) se permitiu deu uma aula de política econômica ao seu principal financiador, os Estados Unidos, nesta quinta-feira (27/7). O órgão publicou uma lista com dez maneiras de estimular o crescimento econômico no país.
 
 
A lista inclui receitas clássicas, como redução do déficit, reforma do sistema fiscal, melhoria de infraestrutura. Todas essas sugestões estão contempladas pela administração do presidente Donald Trump.

Contudo, o FMI também recomenda fortalecer o sistema de cobertura de saúde do país. Os parlamentares republicanos aliados do presidente atualmente tentam aprovar uma reforma do setor no Congresso.

"As políticas de seguros de saúde deveriam visar a proteção dos avanços conquistados após a crise financeira, especialmente para a população com orçamentos menores. A atuação nesse sentido traz benefícios à produtividade, ao bem estar e à participação no mercado de trabalho", estima o FMI. 

Uma das prioridades de Trump é a revogação do programa de saúde de seu antecessor democrata Barack Obama. Contudo, ele ainda não conseguiu unir a maioria republicana em um projeto para substituí-lo. 

O crescimento mais lento da economia dos Estados Unidos foi destacado pelo FMI no domingo, durante uma apresentação de suas precisões de crescimento revisadas. Apesar de ter mantido a previsão de expansão da economia mundial em 3,5% neste ano e 3,6% no ano que vem, reduziu a estimativa americana: 2,1% em 2017 e 2018. 

Entre os desafios que a primeira economia do mundo tem pela frente que o FMI tentou responder, o órgão internacional menciona "um fraco crescimento da produtividade, o envelhecimento da população, as diferenças cada vez maiores na distribuição da receita e um nível elevado de pobreza".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.