União Europeia está preocupada com o 'destino da democracia' na Venezuela

A oposição rejeitou eleição da Assembleia Constituinte e a considerou "fraudulenta"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 31/07/2017 10:14

AFP / Bernardo Montoya

 

A União Europeia expressou nesta segunda-feira sua "preocupação com o destino da democracia na Venezuela", um dia depois da polêmica eleição de uma Assembleia Constituinte. "A Comissão tem sérias dúvidas sobre se o resultado da eleição pode ser reconhecido", declarou a porta-voz do executivo da UE, Mina Andreeva, depois que a Espanha, México, Colômbia, Brasil, Argentina e Estados Unidos, entre outros, anunciaram que não reconhecerão os resultados da votação.



Em meio a protestos e violência, Caracas anunciou que mais de oito milhões de venezuelanos elegeram no domingo os membros da Assembleia Constituinte, defendida pelo presidente Nicolás Maduro como a solução para a crise política e econômica que atingem a Venezuela.

No entanto, a oposição, que controla o Parlamento, rejeitou esta eleição "fraudulenta", com a qual, em sua opinião, o governo tenta perpetuar-se no poder. Os opositores voltarão às ruas nesta segunda-feira para exigir a saída de Maduro. Em quatro meses, 125 pessoas morreram nos protestos.

A União Europeia também apontou a responsabilidade de Caracas para "restaurar o espírito da Constituição e a confiança perdida" com sua tentativa de "estabelecer instituições paralelas", declarou Andreeva, referindo-se à Constituinte. "Uma Assembleia Constituinte eleita em circunstâncias duvidosas e violentas, não pode fazer parte da solução" à crise, acrescentou a porta-voz.

Neste sentido, a UE, que condenou "o excessivo e desproporcional uso da força pelas forças de segurança", reiterou seu apelo às partes para alcançar "uma solução negociada".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.