Venezuela: poder eleitoral rejeita denúncia de fraude em eleição

A oposição venezuelana, que muitas vezes questionou a transparência do sistema de votação eletrônico, insistiu que no domingo passado houve fraude eleitoral

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 02/08/2017 18:36 / atualizado em 02/08/2017 18:48

HO / PRESIDENCY / AFP

 
O poder eleitoral da Venezuela considerou nesta quarta-feira (2/8) "irresponsável" e "sem fundamento" a denúncia de que houve manipulação do resultado da eleição da Constituinte, feita pela empresa que forneceu o equipamento para a votação.
 
 
"É uma afirmação irresponsável com base em estimativas sem fundamentos no dado manejado exclusivamente" pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), disse a sua presidente, Tibisay Lucena, em resposta à acusação feita nesta quarta, por meio da imprensa, pela empresa Smartmatic.

"Trata-se de uma opinião sem precedentes por parte de uma empresa cujo único papel no processo eleitoral é fornecer certos serviços e suporte técnico que não são determinantes em seus resultados", afirmou Lucena.


A Smartmatic ganhou em fevereiro de 2004 a licitação para o processo de automatização das eleições na Venezuela e forneceu na época a tecnologia para um referendo revogatório contra o então presidente Hugo Chávez, falecido em 2013.

Lucena não descartou ações legais contra a empresa. Segundo ela, a denúncia é feita "em um contexto de agressão permanente" e depois que o governo dos Estados Unidos lhe impôs uma sanção "pelo único motivo de organizar uma eleição universal, direta e secreta", como se referiu à Constituinte. 

A oposição venezuelana, que muitas vezes questionou a transparência do sistema de votação eletrônico, insistiu que no domingo passado houve fraude eleitoral.

Promovida pelo presidente Nicolás Maduro, a Constituinte será instalada na quinta-feira (3/8). 

Segundo o mandatário, será um suprapoder que regirá por tempo indefinido. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.