Premier japonês modifica ministério em tentativa de recuperar a confiança

Decepcionado com episódios recentes que considerou lamentáveis, "o primeiro-ministro selecionou pessoas mais experientes, veteranos, já que deseja evitar ao máximo os erros de linguagem", disse um analista polític

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/08/2017 09:35

 Toshifumi Kitamura/ AFP - 3/8/2017
Tóquio, Japão - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, reorganizou nesta quinta-feira (3/8) seu governo em uma tentativa de recuperar a confiança da opinião pública, abalada por uma série de escândalos, em um momento de decisões importantes nas áreas da segurança, diplomacia e economia.

O chefe de Governo anunciou Itsunori Onodera como o ministro da Defesa, uma pasta que já havia ocupado há alguns anos. Onodera sucede Tomomi Inada, forçada a renunciar após um caso de ocultação de documentos militares. No ministério das Relações Exteriores, Fumio Kishida, que estava no posto desde o fim de 2012, será substituído por Taro Kono.

Os dois novos ministros serão responsáveis por questões importantes, começando pela Coreia do Norte, que ameaça o Japão com os repetidos testes de mísseis, e as discussões sobre o tema com China, Estados Unidos e Coreia do Sul. Apesar de Abe considerar a aliança Japão-EUA como algo indestrutível existem divergências com o governo de Donald Trump, especialmente sobre as questões comerciais.

Shinzo Abe confirmou, no entanto, seus mais fiéis colaboradores desde que retornou ao poder em 2012: o ministro das Finanças e vice-premeir Taro Aso e o porta-voz Yoshihide Suga. O ministro do Comércio e Indústria, Hiroshige Seko, na pasta desde 2016, também contina no cargo. Apesar de Abe ter anunciado há quase cinco anos que a promoção das mulheres seria uma de suas metas políticas, o novo gabinete, que tem 19 integrantes (sem contar o premier), conta com apenas duas mulheres: Seiko Noda, no Interior, e Yoko Kawakami na Justiça.

Abe fez uma reforma limitada, obrigado a medir o peso das diferentes alas de seu Partido Liberal Democrata (PLD). As figuras populares que procurou não eram necessariamente propensas a responder de modo positivo, "pois algumas consideram que não é bom para elas integrar um governo Abe", explicou à AFP Takashi Ryuzaki, ex-editor de política do canal TBS.

Decepcionado com episódios recentes que considerou lamentáveis, "o primeiro-ministro selecionou pessoas mais experientes, veteranos, já que deseja evitar ao máximo os erros de linguagem", disse um analista político no canal NHK.

A queda de popularidade do governo nas pesquisas, que se tornou concreta com uma grande derrota do PLD na eleição para a Assembleia de Tóquio, é provocada não apenas pelos escândalos dos ministros, mas também pela conduta do próprio Abe, aponta a imprensa.

Além das suspeitas de favorecimento a amigos, o primeiro-ministro, que tem uma grande maioria no Parlamento, é acusado de ter privilegiado nos últimos meses a votação de leis polêmicas de seu interesse, nos âmbitos da Defesa e da Segurança Interna, ao invés de manter a promessa inicial e reiterada de "a economia em primeiro lugar". Sua estratégia para a economia, conhecida como "abenomics", fracassou em seu principal objetivo: vencer a deflação e construir as bases de um crescimento duradouro. Neste aspecto, os cidadãos mais desfavorecidos esperam muito do governo.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.