Procuradora-geral venezuelana é destituída pela Assembleia Constituinte

Luisa Ortega será substituída temporariamente pelo procurador público chavista Tarek William Saab

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 05/08/2017 13:47

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega, que virou opositora do presidente Nicolás Maduro, foi destituída de seu cargo neste sábado por decisão da recém-eleita Assembleia Nacional Constituinte.
 
 
Ortega será substituída temporariamente pelo procurador público chavista Tarek William Saab, anunciou a Constituinte em sua primeira sessão, após ser instalada nesta sexta-feira. 

Ortega tinha sido suspensa do cargo minutos antes por decisão da suprema corte, que vai julgá-la por irregularidades em seu cargo. 

Mas Diosdado Cabello, poderoso dirigente do chavismo e membro da Constituinte, propôs ao plenário retirá-la definitivamente do cargo.

"Diante do vazio inexorável que existe ali neste momento (...), proponho que seja removida de seu cargo a senhora Luisa Ortega Díaz, em vez de suspensa. Isso não é um linchamento pessoal, político, mas o cumprimento da lei", apontou. 

Ortega havia denunciado, mais cedo, que militares da Guarda Nacional tinham impedido sua entrada na sede do Ministério Público. 

"Isso é uma ditadura, as atrocidades que a Venezuela está vivendo, a repressão, não estão só detendo arbitrariamente as pessoas, mas processam elas com Justiça militar, e ainda não deixam a Procuradora-geral entrar na sede principal", tinha dito à imprensa. 

A procuradora, que chegou e foi embora em uma moto escoltada, disse que vai continuar "lutando pela liberdade e pela democracia na Venezuela". 

"Continuar lutando pela conquista dos direitos humanos, garantir o respeito pela liberdade, porque neste país a liberdade está perdida". 

"Sabe o que querem com isso? (...) Querem também [esconder] a corrupção que há na Venezuela, esconder as provas de violações dos direitos humanos que aconteceram neste país", acusou Ortega. 

Na sexta-feira, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que o governo de Nicolás Maduro não reconhece, anunciou a concessão de medida cautelar de proteção para Ortega, considerando que a sua vida e integridade "correm risco iminente de dano irreparável".
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.