Presidente do Equador pede sanções em casos de corrupção como o Odebrecht

O Ministério Público investiga a Odebretcht por pagamento de 33,5 milhões de dólares, em propina, a funcionários equatorianos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 07/08/2017 15:44 / atualizado em 07/08/2017 16:11

O presidente do Equador, Lenín Moreno, pediu nesta segunda-feira (7/8) que casos de corrupção registrados no país - como os subornos da brasileira Odebrecht, que teriam chegado até à vice-presidência - sejam alvo de sanções.
 
 
"Não vamos permitir sob nenhuma circunstância a interrupção das investigações que levem, por fim, a punir os que espoliaram os recursos do país", disse o mandatário em uma cerimônia pública de mudança da guarda presidencial. 

Diante de centenas de simpatizantes na praça da Independência, em frente à sede do governo no centro colonial de Quito, Moreno afirmou que "não vamos permitir que a corrupção domine o país".

O Ministério Público investiga a trama de pagamento de propinas pela Odebrecht, após a revelação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos, em dezembro passado, de que a empresa pagou, entre 2007 e 2016, cerca de 33,5 milhões de dólares a funcionários equatorianos.

O vice-presidente Jorge Glas, acusado pela oposição de envolvimento em outros casos de corrupção além deste, depôs no MP sobre a investigação, que já deixou dez presos no Equador, entre eles, um tio seu e um ex-ministro do ex-presidente Rafael Correa, antecessor e colega de partido de Moreno. 

Contudo, a Justiça não indiciou Glas, que foi retirado por Moreno de suas atribuições após uma carta "rude" do vice-presidente, na qual repreendeu o mandatário, entre outros motivos, por ter se aliado com a oposição e cedido o controle dos veículos de comunicação públicos a empresas privadas.

"Nada nem ninguém vai evitar essa luta para conseguir que o Equador implante definitivamente a transparência, a lealdade, a honestidade", apontou Moreno no ato militar, em que conclamou seus seguidores a dizerem "não à corrupção, não aos corruptos". 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.