Trump promete "fogo" à Coreia do Norte caso ameaças continuem

O regime asiático testou vários dispositivos atômicos e lançou com sucesso dois mísseis balísticos intercontinentais, capazes de chegar aos Estados Unidos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/08/2017 18:10 / atualizado em 08/08/2017 19:30

O presidente americano Donald Trump prometeu nesta terça-feira (8/8) responder com "fogo e ira" à Coreia do Norte caso o país prossiga com suas ameaças aos Estados Unidos pelo desenvolvimento de seu arsenal nuclear.  
 
 
"É melhor que a Coreia do Norte não faça mais ameaças aos Estados Unidos. Enfrentarão fogo e ira como o mundo nunca viu", declarou Trump de seu clube de golfe em Bedminster, Nova Jersey, onde passa férias.

Segundo o jornal The Washington Post, um relatório da Agência de Inteligência de Defesa (DIA) avalia que o regime comunista norte-coreano tem armas nucleares para colocar em seus mísseis balísticos, incluindo intercontinentais (ICBM).

O Pentágono não comentou a notícia, mas o Post destaca que as conclusões do relatório foram confirmadas por dois funcionários americanos e a CNN verificou sua autenticidade.

Trump disse que o líder norte-coreano, Kim Jong-Un, "tem ameaçado além de sua atitude normal". "Como já disse, enfrentarão o fogo e a ira e, francamente, o poder". 

O porta-voz do Pentágono, coronel Chris Logan, declarou que os Estados Unidos buscam livrar a península coreana das armas nucleares de forma pacífica, mas advertiu que a opção militar não está descartada.

"Seguimos preparados para nos defender e a nossos aliados, e para utilizar toda a gama de capacidades a nossa disposição contra a crescente ameaça da Coreia do Norte". 

Segundo o Post, os progressos relatados sugerem que Pyongyang está mais próximo de ter um míssil com ogiva nuclear do que se pensava. 

Até o mês passado, os especialistas avaliavam em dois ou três anos o prazo para que Pyongyang obtivesse um míssil ICBM com ogiva nuclear, mas este cálculo mudou repentinamente após os norte-coreanos dispararem um míssil intercontinental.

No primeiro tiro de ICBM, que Kim descreveu como um presente aos "bastardos americanos", a Coreia do Norte mostrou que podia atingir o Alasca. O segundo teste, na semana passada, foi ainda mais longe e segundo alguns especialistas, até Nova York poderia ser ameaçada. 

De acordo com o Post, outra avaliação de inteligência apontou que a Coreia do Norte tem até 60 armas nucleares, muito mais do que se pensava.

Obstáculos técnicos 

Apesar destes progressos, a Coreia do Norte ainda precisa superar obstáculos técnicos para aperfeiçoar suas armas nucleares. 

"A Coreia do Norte obteve, provavelmente, alguns progressos fundamentais necessários (...) durante os tiros de julho, mas não acredito que tenham aprendido o necessário para produzir com segurança uma ogiva nuclear suficientemente pequena, leve e robusta", disse Siegfried Hecker ao Boletim de Cientistas Atômicos.

O ex-diretor do Laboratório Nacional de Los Álamos não acredita que a Coreia do Norte tenha experiência com mísseis ou armas atômicas "para lançar uma ogiva nuclear suficientemente leve e robusta para resistir a um ICBM". 

A notícia de que Kim parece ter desenvolvido uma ogiva nuclear compacta chega em meio à crescente tensão internacional sobre o programa de Pyongyang.

Por iniciativa de Washington, o Conselho de Segurança da ONU impôs novas medidas contra Pyongyang, que podem custar à Coreia do Norte 1 bilhão de dólares anuais e afetariam o comércio com a China, sua principal aliada e parceira econômica.

O regime de Kim Jong-Un respondeu que o endurecimento das sanções não impedirá o desenvolvimento de seu arsenal nuclear, ameaçando os Estados Unidos com "fazê-los pagar mil vezes o preço de seu crime". 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.