FMI: sustentabilidade do crescimento do G20 não está garantida

Mas o órgão alertou para a persistência de diversos problemas, já que os índices de crescimento potencial em mais da metade das economias do G20 ficam em 2% ou menos

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/10/2017 15:17

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu, nesta sexta-feira (6/10), às principais economias do mundo para avaliar a estagnação do crescimento, a produtividade e os preocupantes desequilíbrios das contas públicas, afirmando que não existem garantias de que a recuperação global vá continuar.



Em um relatório sobre a saúde econômica dos países do G20, o FMI reforçou que eles tiveram progressos substanciais para impulsionar a recuperação econômica após a crise financeira de 2008 e a subsequente recessão, estabilizando o crescimento e baixando as taxas de desemprego.

Mas o órgão alertou para a persistência de diversos problemas, já que os índices de crescimento potencial em mais da metade das economias do G20 ficam em 2% ou menos. O informa também alerta para os desequilíbrios de conta corrente no Reino Unido e nos Estados Unidos, que têm déficits comerciais persistentes, que poderiam estimular o protecionismo.

Na semana que vem, o FMI e o Banco Mundial vão ter encontros anuais com Estados membros, com a presença de representantes do G20.

"A sustentabilidade do crescimento não está garantida", diz o relatório. "A recuperação cíclica é firme, mas a produtividade continua sendo baixa".

Uma queda aguda e prolongada nos preços de vários produtos, sobretudo do petróleo, foi um peso para as economias emergentes de países como Argentina, Brasil, Arábia Saudita e África do Sul, bem como México e Turquia.

Contudo, estima-se que economias desenvolvidas como Japão, Coreia do Sul, Austrália, França e Itália também estejam crescendo abaixo de seu potencial ao amargar inflações menores que o estimado e uma demanda fraca.

"Enquanto os níveis de dívida soberana se estabilizaram amplamente, houve poucos avanços para reduzi-los", critica o relatório.

O FMI pede para os países fazerem novos esforços para reduzir o déficit e os níveis "incomodamente altos" da dívida pública em Brasil, Espanha, Japão e Estados Unidos.

 

Leia mais notícias em Mundo

 

"A China deveria trabalhar para reduzir as vulnerabilidades financeiras no setor privado", indica o documento, aludindo à rápida expansão do crédito na segunda maior economia mundial.

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.