Jornalista esfaqueada em Moscou foi vítima de 'um louco', diz Kremlin

Tatiana Felguenhauer foi esfaqueada na segunda-fieira na redação da Eco por Boris Grits, um cidadão russo-israelense de 48 anos nascido na Abkházia e residente em Israel

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 24/10/2017 11:02 / atualizado em 24/10/2017 11:21

Vasily Maximov/ AFP


Moscou, Rússia -
A jornalista russa Tatiana Felguenhauer, esfaqueada em Moscou, foi vítima de um louco e não da hostilidade em relação aos meios de comunicação críticos ao poder, afirmou o Kremlin nesta terça-feira (24/10). "As ações de um louco são as ações de um louco", declarou a jornalistas o porta-voz do Kremlin, Dimitri Peskov, assegurando que "tentar vincular este trágico acontecimento a outra coisa não é lógico nem correto".

O sindicato de jornalistas russos lamentou a recente difusão de reportagens contra a rádio Echo de Moscou, para qual a jornalista trabalha, no canal público de informações Rossia-24, que difunde os pontos de vista do Kremlin. "Achamos que esses temas alimentam o ódio contra nossos colegas e podem ter provocado o ataque contra Tatiana por um indivíduo desequilibrado", afirma o comunicado do sindicato.

Tatiana Felguenhauer foi esfaqueada na segunda-fieira na redação da Eco por Boris Grits, um cidadão russo-israelense de 48 anos nascido na Abkházia e residente em Israel. Felguenhauer, hospitalizada com um ferimento no pescoço, foi operada e se encontra em estado grave, segundo fontes hospitalares e de seu empregador.

Leia mais notícias em Mundo

A polícia privilegia a hipótese de um ataque pessoal do agressor contra a vítima e postou um vídeo em que Grits faz comentários pouco coerentes, afirmando ter um "vínculo telepático desde 2012" com a vítima, e que ela "o perseguia sexualmente todas as noites através desse vínculo". Depois do ataque, várias pessoas denunciaram o clima de ódio promovido pelo governo em relação à mídia independente.

A rádio Eco de Moscou, a primeira rádio livre criada em 1990 antes da queda da URSS, passou para o controle do grupo público Gazprom em 2001, um ano depois da chegada de Vladimir Putin ao poder. A rádio consegue se manter como a principal emissora russa e oferece visões independentes em um setor onde os principais meios de comunicação estão sob controle.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.