Ex-chefe de campanha de Trump é indiciado por conspiração

Em paralelo, George Papadopoulos, um ex-assessor da campanha eleitoral de Trump, declarou-se culpado de mentir sobre as relações com a Rússia

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 30/10/2017 15:10

O advogado Paul Manafort, que foi chefe da campanha eleitoral do presidente Donald Trump, foi indiciado nesta segunda-feira (30/10) por conspiração contra os Estados Unidos e por lavagem de dinheiro como parte da investigação sobre a interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016.



Em paralelo, George Papadopoulos, um ex-assessor da campanha eleitoral de Trump, declarou-se culpado de mentir sobre as relações com a Rússia.

Manafort e seu sócio Rick Gates foram indiciados por 12 acusações que não estão diretamente relacionadas com as atividades do comitê eleitoral de Trump, mas com crimes cometidos durante o período em que o influente advogado dirigiu a campanha.

Estas são as primeiras acusações formais apresentadas pelo procurador especial Robert Mueller, que investiga as relações entre o comitê eleitoral de Trump e a Rússia para influenciar a eleição do ano passado.

O caso se concentra nos movimentos financeiros de Manafort e Gates durante a última década, incluindo o período da campanha eleitoral, quando atuaram "como agentes não registrados da Ucrânia" nos Estados Unidos, segundo o documento de 31 páginas assinado por Mueller.

Também foi indiciado por falso testemunho sobre seu papel como agente estrangeiro e por não apresentar as devidas declarações sobre contas bancárias no exterior e registros financeiros.

Para "esconder (...) dezenas de milhões de dólares" de pagamentos recebidos da Ucrânia, Manafort e Gates "lavaram dinheiro mediante um enorme número de corporações americanas e estrangeiras, associações e contas bancárias".

Manafort foi nomeado chefe de campanha de Trump em junho de 2016, mas acabou sendo afastado do cargo em agosto quando foram reveladas suas ligações com a Ucrânia.

Após o anúncio dos indiciamentos, Trump negou no Twitter que seu comitê de campanha tenha participado de um complô com a Rússia durante a eleição de 2016, defendendo que as investigações se concentrem em sua rival, a democrata Hillary Clinton.

"Não há CONLUIO!", escreveu o presidente.

 

Leia mais notícias em Mundo

 

Sobre as acusações contra seu ex-chefe de campanha, Trump apontou: "Eu sinto muito, mas isso aconteceu há anos, antes que Paul Manafort fizesse parte da campanha de Trump. Mas por que o foco não está sobre Hillary Clinton e os Democratas?".

Durante o fim de semana, o presidente também usou o Twitter para atacar as investigações.

"Toda essa história da Rússia justo quando os republicanos estão fazendo uma histórica reforma de corte de impostos. É uma coincidência? NÃO!", escreveu.

 Manafort se apresenta ao FBI


Manafort e Gates "canalizaram milhões de dólares" para contas abertas por eles mesmos, ou por seus "cúmplices" no Chipre, São Vicente e Granadinas e Seychelles, segundo Mueller.

De acordo com o documento judicial, essa atividade ocorreu entre 2008 e 2017.

De acordo com o procurador especial, ambos, "juntamente com outros, conspiraram consciente e intencionalmente para lesar os Estados Unidos".

Manafort se apresentou voluntariamente, esta manhã, ao escritório local do FBI (a Polícia Federal americana), em Washington, acompanhado por um homem não identificado.

Já Papadopoulos se declarou culpado da acusação de ocultar suas conversas com um "professor" anônimo ligado a Moscou que sabia "podres" da democrata Hillary Clinton, rival do magnata republicano na corrida pela Casa Branca.

"Através de suas falsas declarações e omissões, o acusado Papadopoulos impediu a investigação em curso do FBI sobre a existência de vínculos, ou de coordenação, entre indivíduos associados com a campanha e os esforços do governo russo para interferir nas eleições presidenciais de 2016", indica a acusação.

Polêmica interminável


À frente do FBI por 12 anos, Mueller foi escolhido em maio deste ano para conduzir as investigações sobre o papel da Rússia nas eleições presidenciais de 2016.

As suspeitas sobre contatos entre a equipe de Trump e a Rússia durante a campanha e imediatamente após a vitória eleitoral provocaram verdadeiros terremotos políticos no novo governo.

Após sua posse, Trump nomeou o general Michael Flynn como seu conselheiro de Segurança Nacional, mas teve de demiti-lo 20 dias depois, quando foi revelado que ele escondeu os contatos com diplomatas russos.

Na sequência, o novo procurador-geral Jeff Sessions teve de rejeitar qualquer investigação sobre o caso, já que ele também manteve contatos não revelados com diplomatas russos.

Mais tarde, Trump forçou a demissão do diretor do FBI, James Comey, alegando que ele permitiu que as investigações se concentrassem em Flynn.

Neste cenário caótico, Mueller foi nomeado procurador especial. Seu legado e integridade implacáveis %u200B%u200Bsão unanimamente reconhecidos em Washington - algo raro.

De acordo com a imprensa local, Mueller solicitou à Casa Branca que fornecesse uma extensa lista de documentos, incluindo detalhes referentes às discussões internas que levaram à demissão da Comey.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.