Forças iraquianas entram no último reduto do Estado Islâmico no país

O bairro de Gaza foi o primeiro a cair nas mãos das forças iraquianas, afirmou um oficial

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 03/11/2017 08:38

 Stringer  / AFP
Habaniya, Iraque - As forças iraquianas entraram nesta sexta-feira (3/11) em Al-Qaim, centro do último reduto do grupo Estado Islâmico (EI) no Iraque, anunciaram comandantes do exército. Divisões do exército e das forças antiterroristas "iniciaram o ataque no centro de Al-Qaim", afirmou à AFP o general Nomane al-Zobai, comandante da 7ª Divisão do exército iraquiano.

Antes, a artilharia e a aviação da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos bombardearam as posições jihadistas nesta cidade localizada a 10 km da fronteira com a Síria, onde o EI também perde posições. O bairro de Gaza foi o primeiro a cair nas mãos das forças iraquianas, afirmou um oficial à AFP. "As unidades antiterroristas e os combatentes tribais liberaram Gaza após combates violentos", afirmou a fonte.

"Vários terroristas morreram e outros recuaram no centro de Al-Qaim", afirmou. Os extremistas "incendiaram casas de civis no bairro de Gaza, sudoeste de Al-Qaim, para dificultar a visibilidade dos aviões", afirmaram as Unidades de Mobilização Popular (UMP), que participam na ofensiva.

Muitos jihadistas e suas famílias fugiram para Bukamal, na Síria, de acordo com as UMP. As forças iraquianas iniciaram há uma semana uma batalha para recuperar a região de Al-Qaim, onde estavam 1.500 extremistas. Este é o "último grande combate" contra o califado proclamado pelo Estado Islâmico (EI) em 2014, de acordo com a coalizão internacional liderada por Washington.

O objetivo é estrangular o EI em seu último reduto, no vale médio do Eufrates, da província síria de Deir Ezzor até Al-Qaim no Iraque. A região de Al-Qaim tem 150.000 habitantes - 50.000 deles na cidade - que pertencem a algumas importantes tribos sunitas. 
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.