Puigdemont critica Madri em primeira mensagem após ser solto sem fiança

O político catalão e outros quatro membros de seu governo se entregaram às autoridades belgas no domingo

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 06/11/2017 08:50

Lluis Gene/ AFP
Bruxelas, Bélgica - O presidente catalão destituído, Carles Puigdemont, criticou o governo da Espanha nesta segunda-feira (6/11), "um Estado afastado da prática democrática", em sua primeira mensagem após ser posto em liberdade condicional na Bélgica. "Em liberdade e sem fiança. Nosso pensamento está com os companheiros injustamente detidos por um Estado afastado da prática democrática", tuitou Puigdemont.

O político catalão e outros quatro membros de seu governo se entregaram às autoridades belgas no domingo, depois que a Justiça espanhola emitiu uma ordem europeia de busca e detenção para prendê-los após a declaração de independência nessa região do nordeste da Espanha.

À noite, um juiz de instrução belga decidiu conceder liberdade condicional para os cinco à espera de que a Justiça desse reino europeu se pronuncie sobre a execução da ordem europeia de detenção, nos próximos 15 dias.

Enquanto isso, Puigdemont e seus conselheiros estão proibidos de sair da Bélgica sem autorização judicial, devem comunicar um endereço fixo e obedecer a todas as convocações da Justiça e da Polícia, explicou o Ministério Público.

Leia mais notícias em Mundo

Na Espanha, oito dos 14 membros do governo de Puigdemont, que compareceram à Justiça em Madri investigados por "rebelião", "sedição" e "malversação", foram presos. Outro, que havia renunciado ao cargo se opondo a uma declaração unilateral, ficou em liberdade sob fiança.

Com a ida de Puigdemont para Bruxelas, a crise na Espanha chegou ao governo da Bélgica. O ministro belga do Interior, o nacionalista flamengo Jan Jambon, criticou ontem as atuações do Executivo espanhol de Mariano Rajoy.

"Mas o que fizeram de errado [os líderes separatistas]? Apenas executaram o mandato que receberam dos eleitores", disse Jambon em entrevista à rede de televisão flamenga VTM, acrescentando que, se fosse "na Hungria e na Polônia", a UE teria reagido de maneira "muito diferente".

O ministro belga das Relações Exteriores, o francófono valão Didier Reynders, criticou as declarações de seu companheiro no governo de coalizão, pedindo-lhe que "deixe a Justiça trabalhar" e que pare de acreditar "que poderá influir no que acontece na Espanha". "É preciso deixar a Justiça belga e a Justiça espanhola fazerem seu trabalho", indicou Reynders, alegando que "este é um caso que diz respeito, sobretudo, à Espanha".

Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.