Rússia aceita reestruturar dívida de quase US$ 3 bilhões da Venezuela

Segundo o ministro, a Rússia dará ao seu principal parceiro na América Latina condições de pagamento muito vantajosas

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 08/11/2017 21:46 / atualizado em 08/11/2017 22:49

O governo da Rússia chegou a um acordo com o da Venezuela para reestruturar a dívida do país sul-americano, que é de quase US$ 3 bilhões, anunciou o ministro de Finanças russo, Anton Siluanov, nesta quarta-feira (8/11). A informação é da agência EFE.
 

"Temos um pacto para reestruturar a dívida da Venezuela. Os venezuelanos estão dispostos à reestruturação nas condições estipuladas", disse Siluanov à imprensa local.

Ele afirmou que os documentos pertinentes já estão sendo redigidos, já que ambos os governos acertaram o próximo dia 15 como prazo limite. Segundo o ministro, a Rússia dará ao seu principal parceiro na América Latina condições de pagamento muito vantajosas, especialmente no primeiro momento, por conta das dificuldades econômicas que a Venezuela atravessa.

No final de 2011, a Rússia concedeu à Venezuela um crédito de US$ 4 bilhões para a compra de armamentos, que o governo do país sul-americano terminou de quitar em março de 2016. Na última visita que fez à Rússia, há pouco mais de um mês, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, tratou do assunto com o líder russo, Vladimir Putin.

"A dívida, como qualquer compromisso financeiro, é propensa a reestruturação. Qualquer reestruturação ou refinanciamento seguramente será objeto de acordos entre os dois governos", disse Maduro naquela época.

Em agosto, a empresa pública russa de petróleo Rosneft repassou à Venezuela US$ 6 bilhões, como adiantamento por exportações da matéria-prima até 2019.

A companhia estatal Petróleos de Venezuela (PDVSA) completou no final de outubro o primeiro grande pagamento da dívida internacional com o qual lidará nas próximas semanas, desembolsando cerca de US$ 900 milhões que tinha que quitar em amortização aos proprietários de seus bônus.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.