ONU pede para que setor financeiro contribua no combate à mudança climática

O vice-presidente da Comissão Europeia afirmou que o maior desafio de conseguir investimentos de "centenas de bilhões de euros" também é uma "oportunidade para a União Europeia"

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.

postado em 13/11/2017 16:04 / atualizado em 13/11/2017 16:24

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) insistiu nesta segunda-feira (13/11),  durante a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática (COP 23), que está sendo realizada na Alemanha, para que o setor financeiro privado se envolva no combate às alterações no  clima, de modo que os compromissos do Acordo de Paris sejam cumpridos. A informação é da EFE.

O responsável pela Iniciativa Financeira do Pnuma, Eric Usher, afirmou durante a COP23 que não é papel apenas da política e dos governos lidar com o "buraco financeiro" entre os fundos atualmente disponíveis e os necessários para manter o aumento das temperaturas globais abaixo dos dois graus em comparação com os níveis pré-industriais.

"Necessitamos que todos os atores financeiros - públicos, privados, nacionais, internacionais -, assim como os mercados e os seus reguladores, trabalhem conjuntamente de forma efetiva para mobilizar pelo menos o US$ 1,5 trilhão necessário a cada ano", comentou Usher.

O vice-presidente da Comissão Europeia (CE), Vladis Dombrovskis, disse que o desafio de conseguir investimentos para de "centenas de bilhões de euros" para o combate à mudança climática também é uma "oportunidade para a União Europeia".


Na opinião de Dombrovskis, o bloco poderia desta forma se transformar em um "ímã para o investimento ecológico e liderar o caminho da mobilização de financiamento público e privado para projetos sustentáveis".

De acordo com um comunicado do Pnuma, o progressivo aumento da ambição dos países para a redução das emissões de gases poluentes e o aumento das contribuições financeiras "devem ser vistos como um só desafio".

O comunicado afirma que o setor financeiro está "reconhecendo de forma majoritária onde e como a mudança climática apresenta riscos para os seus atuais investimentos", assim como "a necessidade de ajustar as suas bolsas apartando-se de ativos intensivos em CO2 para reduzir esse risco".

O financiamento da luta contra o aquecimento global é um dos principais problemas abordados na COP 23, pelo custo da transição para uma economia não contaminante e pela saída do Acordo de Paris anunciada pelos Estados Unidos, um dos maiores contribuintes até então.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal;
a responsabilidade é do autor da mensagem.