política
  • (4) Comentários
  • Votação:
  • Compartilhe:

Eduardo Campos confirma que vai renunciar ao mandato de governador em abril Nos bastidores, especulava-se que Campos poderia deixar o governo ainda no começo de 2014 para dar mais "carga" ao seu projeto presidencial

Tércio Amaral

Publicação: 30/12/2013 17:39 Atualização: 30/12/2013 19:10

 (Aluisio Moreira/SEI)


O governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), virtual candidato à Presidência da República, assumiu, pela primeira vez, que deve renunciar o comando do Executivo para disputar a eleição no próximo ano. O socialista afirmou nesta segunda-feira (30/12) que permanecerá no exercício do mandato até a data estabelecida pela legislação eleitoral, ou seja, até o dia 4 de abril. Nos bastidores, especulava-se que Campos poderia deixar o governo ainda no começo de 2014 para dar mais “carga” ao seu projeto presidencial.

“Vamos ficar até o prazo estabelecido pela Lei Eleitoral. A lei exige um prazo de desincompatibilização para aqueles que serão candidatos às eleições. Vou ficar no governo até o prazo legal, que é dia 4 de abril”, disse Eduardo Campos, em entrevista à Rádio Cultura de Palmares, município da Mata Sul pernambucana, onde o Governo do Estado entregou 707 casas da Operação Reconstrução nesta segunda-feira.

“Até o tempo que a legislação determina, vou estar em Pernambuco cuidando da minha tarefa, que é cuidar da segurança, da educação, da saúde, do saneamento, atraindo empresas para a geração de empregos. Esse é o meu dia-a-dia, que faço com grande ânimo e determinação”, completou Campos, que não citou outro prazo importante para o PSB: a escolha do candidato do partido ao governo de Pernambuco no próximo ano.

Comenta-se que a decisão seja realizada antes do carnaval, em março. Concorrem a indicação os secretários Milton Coelho (Governo), Tadeu Alencar (Casa Civil), Fernando Figueira (Saúde), Paulo Câmara (Fazenda), além do ex-ministro Fernando Bezerra Coelho, este último citado como o “favorito” entre o grupo. Existe uma apreensão no PSB depois da saída do PTB, do senador Armando Monteiro Neto, da base do governo. Armando, que é pré-candidato, já tem circulado e costurando apoios pelo estado. O trabalhista poderá contar com o apoio do ex-presidente Lula e da presidente Dilma Rousseff, do PT.

Leia mais notícias em Política

Índice de desconhecimento

Falando como candidato, Eduardo Campos desconversou sobre os índices de desconhecimento alto apontado em pesquisas de intenção de votos em todo o país. O socialista afirmou que “haverá tempo” de percorrer todo o Brasil. “Temos a clareza de que neste país de dimensões continentais, que é muito grande, nós ainda temos um desconhecimento muito grande. Eu sou conhecido em Pernambuco, mas fora de Pernambuco nós só vamos vencer esse desconhecimento quando o debate da TV e do rádio for iniciado", ressaltou.

Campos garantiu a filiação da ex-senadora Marina Silva, da Rede Sustentabilidade. Marina poderá ser candidata a vice numa eventual chapa presidencial do PSB. Campos, na entrevista, garantiu que saiu ganhando neste ano. “Ganhamos o ano de 2013 com muito trabalho e determinação. Quero agradecer a solidariedade de todo o povo pernambucano. Vamos entrar em 2014 para ganhar 2014, com muito trabalho, ânimo e fé no futuro”, disse o governador.

Esta matéria tem: (4) comentários

Autor: arceu mendes
desculpe-me Daniel Franco, mas em partes sou contra sua avaliação, porque o Eduardo Campos jamais terá o apoio em 2018 do PT, Lula e Dilma, e no momento o PT enfrenta uma grande rejeição do eleitorado, e Eduardo Campos tem grande chance de vitória em 2014, e no momento é única opção. | Denuncie |

Autor: Anilton Moccio
Não consegue, ou não quer, resolver o problema da seca e da miséria no seu estado apesar dos vultuosos investimentos federais, renuncie ao comando mas deixe a porta aberta, logo após o 1º turno, volta para Pernambuco. | Denuncie |

Autor: Evaldo Rezende
Desculpe, Daniel Franco, mas é muita ingenuidade achar que o PT abriria mão de indicar o candidato à sucessão de Dilma em 2018. Jamais o "PT, Lula e Dilma" apoiariam espontaneamente um candidato que não fosse do PT. Como qualquer outro partido, querem se perpetuar no poder. | Denuncie |

Autor: Daniel Franco
Acho legitimo um partido como o PSB, buscar uma campanha solo, mas na minha avaliação um pouco precipitada! Deveriam aguardar para 2018, quando teriam naturalmente o apoio de toda a esquerda, principalmente do PT, Lula e Dilma. | Denuncie |

Comentar

Para comentar essa notícia entre com seu e-mail e senha

Caso você não tenha cadastro,
Clique aqui e faça seu cadastro gratuito.
Esqueci minha senha »
Termos de uso

Envie sua história e faça parte da rede de conteúdo dos Diários Associados.
Clique aqui e envie seu vídeo, foto, podcast ou crie seu blog. Manifeste seu mundo.